Navegação – Mapa do site
Artigos

Medo e vergonha: emoções comunitárias e emoções sociais

Fear and shame, emotions and social emotions Community
António Pedro Dores
p. 43-54

Resumos

Thomas J. Scheff defende ser a vergonha a emoção social por excelência. A tese deste artigo é a de que o medo está para a vergonha como a comunidade está para a sociedade. Por mais seguro que seja o ambiente social, continuamos a sentir medo quando nos ameaçam com exclusão na escola ou no emprego ou na família.

Como comunidade e sociedade, também o medo e a vergonha são dois aspectos da mesma realidade confundidos um no outro, distintos pelos diferentes tempos de actuação. Tomam-se para estudo três casos ilustrativos da co-presença de medo e vergonha em comunidade e em sociedade.

Conclui-se que a teoria social dominante se auto-limita a uma visão construtiva da sociedade, deixando-se colonizar acriticamente por emoções de vergonha e repugnância ao medo, em vez de as analisar, de enfrentar os respectivos incómodos e tirar os respectivos proveitos.

Topo da página

Entradas no índice

Topo da página

Notas da redacção

Artigo pedido ao autor

Artigo recebido a: 13/Maio/2011

Aceite para publicação: 17/Junho/2011

Texto integral

Medo e vergonha: emoções comunitárias e emoções sociais

1Ferdinand Tonnïes enunciou os tipos de relações básicas em comunidade, a saber: as relações maternais (entre mãe e filhos), as relações conjugais e as relações fraternais (que ligam pessoas sem referência à sexualidade de cada uma). O autor referia-se a relações de empatia, sintonia e solidariedade ancoradas no instinto de reprodução, sem o qual a espécie não teria vingado. Amor é o nome das emoções que acompanham os dois primeiros tipos de relação. Amizade (um amor assexuado) acompanha o terceiro tipo.

Quadro 1. Distinções comunidade/sociedade segundo Tonnïes

Quadro 1. Distinções comunidade/sociedade segundo Tonnïes

2Esta tipologia está marcada pelo naturalismo positivista. Não contempla as relações de poder (centro, seguidores, periferia, inter-societal) nem os diferentes estados de desenvolvimento (dependente, autónomo, doente, inter-geracional). Mas tem a vantagem da validade universal para toda a espécie humana. As perspectivas centradas no poder e/ou no desenvolvimento tornam-se vulneráveis aos culturalismos etnocêntricos e/ou relativistas.

3Para quem deseje repensar o lugar da igualdade na teoria social, revisitar e aprofundar a perspectiva do clássico alemão é uma pista. O amor, a vida que se reproduz, os tipos básicos de ligações sociais entre indivíduos, são universais na espécie humana. Como também são universais aspectos negativos como o medo, a morte, a impossibilidade prática de estabelecer relacionamentos sociais desejados, num mundo ambientalmente e socialmente imprevisível.

4Por razões biológicas, o medo faz-se sentir de forma especialmente intensa em pessoas com responsabilidades por filhos pequenos ou quando os riscos de vida são pressentidos como eminentes. Isso é facilmente observável nos que são pais pela primeira vez e também no espírito das comunidades mobilizadas para a guerra. Só é possível mobilizar para a guerra manipulando um medo ancestral incontrolável através de poderes instituídos, que aprenderam a fazê-lo ao longo dos tempos em proveito próprio e alheio. A manipulação do medo é parte evidente do trabalho político também no caso dos estados modernos.

5Para Thomas J. Scheff, não são o amor nem o medo as principais emoções sociais. Scheff [2002] defende ser a vergonha (contraparte negativa do orgulho) a emoção social por excelência, por a entender como sinal presciente do risco de quebra de laços sociais numa determinada situação. Activista contra a guerra, o autor refere-se à experiência pessoal de ter tido vergonha de contrariar seu pai quando foi mobilizado para a guerra. Teve então de escolher entre negar-se a combater, e ser tomado (e provavelmente abandonado) por seu pai como cobarde por se declarar objector de consciência, assumindo também a mais que certa acusação de traidor ou refractário que o Estado reservava para tais tomadas de posição, ou alistar-se como a maioria. Entende hoje ser uma das suas tarefas prioritárias a denúncia do sentimento de vergonha de ter tido vergonha de ir para a guerra – na altura, mais do que actualmente, isso seria tomado como manifestação de falta de virilidade (numa altura da vida pessoal particularmente vulnerável a tais acusações). Pensa que a tomada de consciência social da existência de um tal mecanismo de segredo social e dos modos de o revelar a cada ser humano, ultrapassando os traumas viciosos da vergonha de ter vergonha de não corresponder ao padrão de masculinidade dominante, serão contributos valiosos para os pacifistas porem em prática.

6A sociedade a que se refere Scheff não é o núcleo reprodutivo em que pensa Tonnïes. É a sociedade da linha de comando que permite a um chefe militar ordenar aos chefes de família a mobilização dos seus filhos para defesa ou a honra da comunidade. O que está em causa não é a relação com a mãe, como no autor alemão, mas antes a relação com o pai (poder e desenvolvimento fora do seio familiar) e a extensão das relações fraternais entre homens ligados entre si, em forma de gerações, para trocarem recursos, incluindo filhos para guerrear. Quando a vergonha é mais forte do que o medo, as pessoas tornam-se capazes de dar a vida (num suicídio altruísta, como o classificou Durkheim) em função das necessidades sociais, tal e qual elas são dispostas pelas autoridades.

7A tese deste artigo é a de que o medo está para a vergonha como a comunidade está para a sociedade. E que a vergonha de ter vergonha, de que nos fala Sheff, é melhor descrita como o medo de ter vergonha, isto é, o sentimento de saber ser existencialmente arriscado apresentar-se a terceiros como portador de um qualquer tipo de fragilidade (falta de virilidade, por exemplo), da qual outrem venha a servir-se para concorrer, explorar ou excluir quem tenha assinalado a sua própria fraqueza. Uma coisa é perder uma relação social importante com uma pessoa rara. Outra coisa é viver a vida como se fosse a vida de outrem (como quando se está preso, condenado, ostracizado, estigmatizado) com quem não temos relação possível, só porque a sociedade nos impôs uma posição que não é a nossa. A violência física, que põe em causa a existência dos indivíduos, não é a única fonte de medos: a violência capaz de manipular as relações sociais também causa medos, tão fortes quanto os medos dos riscos imediatos percepcionados contra a integridade física das pessoas.

8Quando se prega um susto a alguém, provoca-se um mecanismo automático dos corpos humanos. Tal bio-mecanismo salvou, com certeza, muitas vidas aos nossos antepassados, quando os riscos directos à vida eram maiores do que hoje são (para os que vivem como aqueles que escrevem e lêem este tipo de literatura). No dia a dia continuamos a sentir medo quando nos ameaçam com exclusão por falta de disciplina ou por arbitrariedade, como na escola ou no emprego ou na família. Por mais seguro que seja o ambiente em que o susto nos seja pregado, só depois de vivermos o medo nos rimos de vergonha de não termos sido capazes de controlar tal reacção primária em frente dos amigos, de cuja benevolência não duvidamos. A um desconhecido que nos pregar um susto mostrar-nos-emos zangados, duvidaremos das suas intenções. A vergonha emerge prioritária quando não há perigo para a integridade física.

9Da mesma forma, ainda que em sentido inverso, uma declaração de guerra suscitada ao debate público ocidental pelos respectivos governos merecerá à opinião pública resistências – dado o passivo histórico das colonizações e agressões belicistas desproporcionadas e injustas. O primeiro sentimento popular dominante será o de vergonha pelas manobras políticas para mobilizar recursos para a guerra e pelas alegações, quantas vezes inverosímeis, avançadas para justificar o injustificável. Uma vez começada a acção, porém, tudo o muda. A vergonha (o pressentimento de estar em risco a relação social entre o povo e os seus dirigentes) dá lugar ao medo – o pressentimento de estar em risco a própria humanidade, por um lado das vítimas mais directas do conflito e, por outro lado, dos povos que sustentam os poderes belicosos, assumindo com eles o desprestígio das guerras injustas.

10O medo pode ser definido como a emoção que assinala o sentimento existente de a integridade do indivíduo estar em risco e faz disparar o coração, preparando o corpo e a mente para a acção intensa, em contraste com a vergonha, definida por Scheff como o sinal de presença de riscos para os laços sociais das pessoas, o que faz ruborizar a face. No primeiro caso, a concentração do indivíduo fixa-se em si mesmo e na reacção automática que o assaltar antes de conseguir pensar – deixar de se mexer e resistir, atacar ou fugir. No segundo caso, a atenção da pessoa será mobilizada de modo a captar com todos os sentidos as intenções de terceiros, de modo a preparar a reparação dos laços sociais em risco, consoante a interpretação que faça da situação, com tempo para pensar.

11Na mesma medida que comunidade e sociedade são, afinal, dois aspectos da mesma realidade (a sociabilidade espontânea da natureza humana desenvolvida e herdada através dos tempos), também o medo e a vergonha surgem confundidos um no outro, do magma emocional emergente do material de que somos feitos. Distingue uns dos outros o tempo de actuação (automático, informal e incorporado para o medo e para a comunidade; controlável através do desenvolvimento da reflexividade, da formação e do poder para a vergonha e a sociedade).

12Tomamos para estudo três casos para ilustrar a co-presença conjugada de medo e vergonha em comunidade e em sociedade (ver quadro 2).

Quadro 2. Distinções comunidade/sociedade medo/vergonha nos casos concretos

Quadro 2. Distinções comunidade/sociedade medo/vergonha nos casos concretos

13Zalmen Gemma [2008] foi um judeu capturado pelos nazis e enviado para campos de concentração. Em Auschwitz tornou-se Sonderkommando, isto é trabalhador escravo que tirava os corpos das câmaras de gás e os levava para o crematório. Escreveu secretamente para dar testemunho aos vindouros do que ocorreu com ele e com milhões de outras pessoas, em segredo. Como se ninguém, ao tempo, quisesse saber. Mesmo aqueles que os viam passar pelas linhas de ferro, transportados como hoje em dia é proibido transportar gado.

14Juntamente com a família, Zalmen foi transportado para o campo onde haveria de morrer. Ele relatou como para quem ia dentro dos comboios, desesperançados dalguma solidariedade dos que os viam passar e certos de serem imediatamente mortos pelos agentes que os acompanhavam ao menor sinal de resistência, restava a ilusão auto-administrada de não ser a morte o destino que os esperava, mas antes o trabalho escravo como esforço de guerra. O autor explica como os raros resistentes eram imediatamente eliminados e como quem insistia a apelar à lucidez era ignorado e mesmo reprimido pelos restantes. Pela simples razão de ser impensável aquilo que viveram.

15O editor chama à atenção para o facto de os Sonderkommando, cativos poupados à execução imediata à chegada a Auschwitz para integrarem o funcionamento do campo, terem má fama. Espécie de traidores ou colaboracionistas. Pessoas que preferiram sobreviver do que acompanhar os seus companheiros na morte. Na verdade, como relata o texto de Gemma, à chegada do campo de concentração estes trabalhadores viviam o brutal luto da morte dos seus entes mais queridos sem terem oportunidade de ver os corpos. Manter a própria sanidade mental em tal circunstâncias reclamava já, com certeza, um esforço tremendo. Ou, por outra, a lucidez podia finalmente libertar-se do segredo social a que tinha vindo aperreada anteriormente. Era a cognição que podia fazer o luto, e não as emoções, à falta dos corpos dos seus entes queridos, perante o excesso de cadáveres com que trabalharam e perante o horror da certeza das intenções genocidas dos carcereiros. A vergonha sucedia ao medo e informava os vindouros através da escrita. (A imaginação que apresenta os Sonderkommando como pessoas que teriam de alguma forma tido alguma influência na escolha que sobre eles recaiu para se tornarem em trabalhadores, que trabalhavam em troca da benesse de estar vivo e de ter melhor alimentação do que os restantes, tal imaginação é a mesma que produz estigmas sociais em todas as sociedades do mundo. O autor não se lhe refere).

O medo dos imigrantes

16Ao entrevistar imigrantes em Lisboa sobre o que entendem ser a justiça, em Portugal e no mundo, António Pedro Dores [2009] observou aquilo que descreveu como medo. Medo de falar das suas relações sociais actuais, incluindo relações familiares com outros imigrantes a viverem perto; medo sobretudo de falar de casos práticos de injustiça quando a tal foram solicitados. Medo de errarem o julgamento politicamente correcto que o sociólogo iria certamente apreciar na obscuridade do seu “laboratório”, sem recurso a contraditório. Medo incutido por amigos quando lhes falavam do convite de colaborarem com um estudo sociológico: para que serviria tal estudo? O medo podia ser tão forte que levou um dos nossos entrevistados a fugir perante a presença da entrevistadora no local de trabalho (um café) à hora anteriormente combinada presencialmente. O mesmo medo foi confessado noutro caso, quando o entrevistado explicou as consequências de ter confessado as suas necessidades e os seus recursos a um colega imigrante, como forma de desabafo. Isso foi utilizado pelo seu interlocutor para tirar proveito disso, em prejuízo dos interesses de quem se abriu à solidariedade alheia. Lição: há que ter cuidado com o valor operacional daquilo que se sabe e daquilo que se diz. Medo com causas múltiplas e difíceis de identificar, espelhado nas recusas em colaborar em certas circunstâncias, nomeadamente quando chegava a altura de passar das discussões doutrinárias (sobre o que entendiam por justiça) para a apresentação de casos de (in)justiça que lhes tivessem marcado a vida ou pelo menos a memória, casos ocorridos com os informantes ou com pessoas suas conhecidas ou até casos de conhecimento público e mediático.

17Medo confirmado por especialistas em questões de imigração. Disseram dever-se isso aos traumas porque passam os imigrantes, nomeadamente devido à necessidade de viverem durante algum tempo em contacto com o mundo do crime, que controla e explora como pode circuitos clandestinos de imigração – pois os Estados, na altura como actualmente, negligenciam a regulação de tais mercados. Medo, portanto, de serem perseguidos pelos riscos que assumiram ao imigrar, de serem alvo de armadilhas para os explorarem ainda mais, de estarem vulneráveis a um qualquer ataque administrativo, de que alguém tome pessoas que amam como moeda de troca para qualquer tipo de transacção ou chantagem.

18Frequentemente, o medo é entendido como uma emoção que provoca forte contenção da acção – ou, em alternativa, uma forte reacção de fuga. O facto de ter sido registado um caso de fuga será suficiente este caso de medo para confirmar todos os outros casos como medo? Quando uma jovem mãe chora e se recusa a dar informações sobre casos concretos de (in)justiça de que tenha memória, estaria ela a sentir medo?

19Este choro, ou mesmo a fuga, não poderiam ser melhor descritos como vergonha, no sentido de Scheff, sentimento de estarem em risco ligações sociais? Ou ainda, seguindo também a proposta do mesmo autor, não seria a vergonha de sentir vergonha, próprio da modernidade, por consciência da incapacidade de defesa perante a intromissão do Estado na sua vida?

20Para considerar esta hipótese, de aquilo que parece medo e pode ser descrito consensualmente como medo ser de facto vergonha (ou vergonha de sentir e expressar vergonha), há que explicar as razões que levam tanto os actores sociais (neste caso os imigrantes) como os observadores mais solidários com eles (os especialistas sobre questões de imigração) a concordarem em encenar e reconhecer sintomas de medo, como forma de esconder a vergonha.

21Eis uma explicação possível: o medo não é estigmatizado socialmente, nas nossas sociedades actuais, a não ser em circunstâncias institucionais muito particulares (na tropa, na polícia, em actividades desportivas violentas, nas educações mais valorizadoras das virtudes viris). As sociedades modernas, como mostra Norbert Elias, distinguem-se por serem civilizadas, isto é, por imporem a incorporação de sentimentos de repugnância individual perante a violência como regra de integração e convivialidade. Manifestar medo, portanto, é aceite como uma expressão de cultura e civilidade contra a brutalidade, seja dos tipos de sociedades historicamente precedentes, desconsideradas como subdesenvolvidas, seja dos espaços sociais anormais, incultos, marginais, criminosos, desconsiderados como perigosos e em vias de extinção, em parte pelas forças da ordem e da justiça.

22A vergonha, essa, como mostra Thomas J. Scheff, é vergonhosa, por assim dizer. Como diria Durkheim, nas sociedades organizadas em torno de uma divisão de trabalho alargada a milhões de seres humanos, dependentes entre si do bom funcionamento da ordem e das funções institucionalmente diferenciadas, os riscos de perda das conexões sociais – por exemplo, no desemprego, na doença, na loucura – são riscos sociais relevantes: são anomia, sinal de doença social que deve ser tratada e minimizada.

23Vergonha e medo, como qualquer outro sentimento, habitam todos os seres humanos em permanência, como refere Scheff. Ocorre em determinadas circunstâncias emergirem à superfície como um clímax, obrigando à expressão física e, portanto social, de formas de escape de tais erupções emocionais. Não havendo risco de vida, o medo seria uma revivescência do passado trazido à memória pelo apelo do investigador ou seria, na verdade, vergonha. Um estrangeiro sem direitos de cidadania garantidos, em processo de reintegração social numa sociedade pouco conhecida, mas que o seu interlocutor deve conhecer melhor que ninguém, obrigado a “passar no exame” (como frequentemente é entendida a prática de entrevistas pelos entrevistados com menos confiança nas suas capacidades cognitivas), apesar de ter consentido a entrevista (uma forma de testar a sua capacidade de integração social, como medir a tensão arterial pode medir o bem-estar bio-químico do corpo) a dado momento do processo a vergonha pode tornar-se compulsiva e despoletar a vergonha de ter vergonha, um processo de ocultação da vergonha.

24Na ocasião, o resultado prático, ainda que não planeado, resulta satisfatório: trata-se na prática de romper a relação social com o entrevistador para assegurar as relações sociais permanentes. Impondo, ao mesmo tempo, a solidariedade social espontânea gerada pela exposição da fragilidade existencial de um ser humano perante os outros [cf. Goleman 2010/2006]. Aqui se separa a função do sociólogo e do polícia.

25Ser imigrante é, ao mesmo tempo, reconhecer a superioridade da sociedade de acolhimento e a exterioridade da comunidade de acolhimento (de facto, a mesma). A vergonha (risco de falta de ligações sociais) é reparada com o medo (sinal de risco para a integridade individual) – como o vice-versa também acontece. Isso corresponde bem ao espírito de submissão do imigrante, que contrasta com a posição dos seus filhos, ditos imigrantes de segunda geração.

O romance Museu da Inocência

26Orhan Pamuk [2010/2008] ganhou um Prémio Nobel da literatura, com uma versão revista e modernizada de Romeu e Julieta. Os suicídios dos protagonistas modernos, Kemal e Füsun, habitantes de Istambul, aparecem desencontrados, como na peça de Shakespeare, mas envergonhados em vez de trágicos. Em ambas as histórias os protagonistas não alcançam nem o poder nem o controlo das forças sociais que os arrastam para longe dos respectivos objectos de amor. Mas enquanto o autor inglês produz uma declaração de desejo de paz universal em nome do amor e contra as guerras fratricidas, ainda hoje glosada pelas rainhas de beleza e muito apreciada também nas festas de Natal, o autor turco denuncia a inocência de quem toma demasiado a sério as promessas de felicidade da modernidade.

27Os fenómenos sociais que se opunham ao amor dos protagonistas turcos eram os habitus de classe cruzados com os padrões de comportamento de género. Ou, dito de outra maneira, a sedução da modernidade importada (da Europa ocidental e dos EUA) e a transformação emocional que tais vivências impunham a cada pessoa singular, especialmente às mulheres, sem que houvesse qualquer curso de formação ou tempo de reflexão.

28Kemal estava noivo e sentia-se feliz pelo sucesso da sua família, dona de prósperos negócios de import-export, e pelas qualidades socialmente muita apreciadas da sua noiva. Poucas semanas antes da festa pública (para a classe burguesa de Istambul) de noivado, aconteceu uma série de encontros sexuais com a jovem Füsun, filha de família humilde ansiosa por encontrar um caminho para partilhar com a parte ocidentalizada da sociedade turca o crescimento económico e a abertura ao mundo. Na véspera do noivado, Füsun entrega o seu destino nas mãos do super feliz Kemal, que sonha fazer dela sua amante, antes mesmo de festejar o noivado. Eis o equívoco do protagonista, que lhe vai custar um suicídio social. A partir de então, na falta de Füsun (que desaparece), Kemal não está mais em condições de viver, embora sobreviva ao isolamento dos amigos, à ruptura do noivado, às saudades do “momento mais feliz da sua vida” que não soube prolongar, à função social de empresário que a família permite que exerça, apesar da falta de empenho.

29Como em Romeu e Julieta, também em Istambul o amor é essencial à vida. Ao contrário do século XVI, em Istambul de meados do século XX o ambiente social é descrito como radicalmente pacífico, apesar dos bombistas mencionados aqui e ali: nenhuma pressão que não seja a da interpretação mais correcta da tradição e dos bons costumes se impõe aos protagonistas. Kemal simplesmente não se sente bem sem Füsun. Não procura nenhuma culpa exterior nem procura corrigir o seu próprio sentir. Também não pressiona Füsun (uma vez que a reencontrou a certa altura do romance) limita-se a estar presente e a pedir paciência e compreensão para os seus comportamentos bizarros: comportava-se com um cleptomaníaco (furta obsessivamente objectos tocados pela sua amada que depois exporá ao público no museu), mas compensava a família de algum modo por isso, com dinheiro e prendas. Do mesmo modo a família de Füsun jamais questiona as opções da filha – ou a filha questiona os sentimentos dos seus pais. Todos os personagens procuram a harmonia, apesar dos equívocos e dos segredos, e, em grande parte, conseguem-na.

30O herói do romance, também narrador, abandona a vida social burguesa de que era um dos protagonistas, torna-se uma espécie de ovelha negra da família, não dá importância aos negócios, vive para a memória de um amor fugaz e para recompor o equilíbrio emocional perdido depois de tal experiência. Dedica-se à dolorosa mas transcendente tarefa de organizar visitas regulares, muitas vezes por semana, a casa de família da sua amada, entretanto casada com outro homem segundo um contrato que serviu para encobrir a castidade auto-infligida por Füsun. Ambos os heróis se suicidam socialmente. Até que uma luz se acende no fundo do túnel. O marido de Füsun quer divorciar-se para ir viver com outra mulher e assim surge a oportunidade, 9 anos depois, de o casal refazer os seus planos de vida em comum e explorar o amor interrompido. E este é o segundo grande equívoco denunciado pelo romance.

31Füsun obriga Kemal a aceitar as suas condições para se casar. O que ele aceita de bom grado. Porém, será ela quem não resistirá ao entusiasmo sexual e fará amor com ele, pela última vez, antes de casarem, contra uma regra estabelecida por ela própria, em favor da tradição e do respeito pelas mulheres. Mata-se com um automóvel em alta velocidade contra uma árvore, como o seu amante ao lado. Mata-se de vergonha ou de medo?

32Uma das facetas mais extraordinárias do romance é a interpretação do sentido do título, abandonada ao leitor como um enigma. Por que razão um museu com a memória arqueológica da relação de Kemal com a sua amada, reunindo objectos coleccionados por ele ao longo de 10 anos que dura a estranha e intensa relação entre os dois, se chama Museu da Inocência? E o que nos quer dizer o autor ao terminar o livro, afirmando que a vida do seu narrador foi “muito feliz”, em contraste com o fado que ela parece ser ao leitor? Nenhumas respostas evidentes são oferecidas.

33O romance reclama a mesma intuição que fundou as modernas ciências sociais: as pessoas, e aquele casal em particular, são joguetes inocentes das mais profundas tensões sociais. A acção decorre em “sociedade”, em condições de modernidade idealizada, isto é abstraindo dos dramas da violência política, religiosa, de classe. Até a vergonha que o leitor sente (como o próprio Kemal chega a confessar sentir), aquando das invasões recorrentes da casa de família da sua amada, é abstraída. Como quem diz, em comunidade não há que ter vergonha. As comunidades cuidam do essencial, da sobrevivência, que é aquilo que as visitas de Kemal representavam para a família de Füsun e para ela própria. Só quando a sociedade começa a interferir mais profundamente nas relações comunitárias, libertando os indivíduos, a vergonha se expande também aos relacionamentos íntimos.

Da vergonha de sentir medo

34Não há que ter medo, em sociedade – parecem querer dizer as teorias sociais dominantes, crentes na predestinação do progresso das instituições em sintonia com a vida, apologistas da modernidade. A catástrofe, para elas, é uma impossibilidade, é impensável. A questão a colocar é esta: não serão tais convicções apriorísticas, em si mesmas, uma forma de escamotear o medo persistente nas sociedades? No dizer de Scheff, não será isso uma expressão de vergonha de ter vergonha (ou de medo de revelar sentimentos de vergonha)? Medo das mudanças profundas impostas pela modernização (os misteriosos domínio das máquinas, fim da moral, imperialismo tentacular, por exemplo); medo da mobilização capitalista, que nos torna estranhos de nós próprios para termos acesso aos mercados globalizados, enquanto trabalhadores-consumidores (a alienação); medo do poder absoluto das instituições e da sua perversidade hostil (a banalidade do mal, de Arendt); medo de não termos porque nos envergonhar nem como o esconder. O medo é, afinal, apenas uma vestuta herança genética, com certeza útil.

35A teoria social que auto-limita o seu campo de visão à parte construtiva da sociedade, aceita, implicitamente, servir de reforço aos segredos sociais (ocultados pelos medos e pelas vergonhas) deixando-se colonizar acriticamente por essas (e outras) emoções, em vez de as analisar, de enfrentar os respectivos incómodos e tirar os respectivos proveitos. Denunciar a guerra e escalpelizar de que modo a vergonha (da alegada falta de virilidade, mas também da falta de fé modernizadora, da culpa pelas falhas humanas) lhe esteja relacionada, é mérito de Thomas J. Scheff. A hipótese de a vergonha funcionar como biombo emocional para escamotear a perversidade humana é, sem dúvida, uma contribuição excelente a explorar e desenvolver, especialmente por ter a capacidade de se esconder a si própria, de tão discreta poder ser a reacção física correspondente ao emergir dessa emoção.

36A dúvida colocada neste texto é se mais fundo do que a vergonha, o medo não é também ou sobretudo o fautor das guerras e das violências? E para o dominar bastará desenvolver interacções sociais mais saudáveis, ou será preciso também desenvolver novas relações de poder e de co-desenvolvimento com o meio ambiente e com os povos vizinhos e longínquos?

Quadro 3. Análise das emoções caso a caso

Quadro 3. Análise das emoções caso a caso

Confirmação e expansão da teoria do espelho do self

37Daniel Goleman [2010/2006] observa a necessidade vital e natural de associação dos seres humanos entre si e também a complexidade e delicadeza dos instrumentos de sintonização e harmonização de tais relações permanentemente activos (e falíveis), em função das pessoas (suas competências, potencialidades e intenções) e do meio social envolvente. Baseiam-se tais observações nos estudos das funções cerebrais, que muito progrediram nas últimas décadas. As células fusiformes e os neurónios-espelho são formas biológicas que tornam a secular teoria de Charles Cooley [1909] sobre o espelho do self (lookingglass) mais do que uma metáfora: será antes uma meta descrição de funções neurais do cérebro. Os seres humanos, muito mais que os outros primatas, vivem como mimos. Isso pode ser medido pela presença de mil vezes mais células fusiformes nos cérebros humanos do que noutros primatas. Não é apenas o valor que julgamos os outros possam dar ao nosso ser individual, como argumenta Cooley, e o medo de sermos socialmente depreciados e o prazer de sermos apreciados. É a tendência inata que temos de, por via neural, acompanharmos os movimentos, posturas, vocalizações e sentimentos dos outros seres humanos com quem entramos em processos empáticos, como a nossa forma de (con)viver. As conexões sociais não são um acrescento artificioso à natureza humana. Não são só cultura: são necessidades básicas, impulsos vitais. A sociabilidade não é uma diletância existencial: é uma expressão de vida típica da nossa espécie.

38Há uma via inferior da vida nervosa, muito mais rápida a reagir do que a via superior, refere Goleman. A primeira reage a riscos de vida pressentidos, como quando nos assustamos, antes mesmo de termos tido tempo de percepcionar a situação. Isso não é controlável pela via superior da vida nervosa. Esta última apenas pode constatar ter ocorrido uma certa reacção do seu corpo, com as consequências decorrentes para o meio.

39À via inferior correspondem os conceitos sociológicos de comunidade e emoção. À via superior correspondem sociedade e racionalidade. No primeiro caso referimo-nos a fenómenos ditos naturais, sem que haja hipótese de intromissão regulatória reflexiva. A sociedade, por sua vez, é descrita como sendo artificialmente construída e regulável institucional ou politicamente. A vida conceptual separada entre a sociedade e a comunidade, a razão e as emoções, a via superior e a via inferior, é uma ficção muito utilizada e até defendida, embora seja uma dissecação unilateral das relações humanas.

40A teoria social está desafiada a lidar com a necessidade cognitiva de integração do conhecimento das ciências naturais sobre o comportamento social e o conhecimento das ciências sociais. Atrever-se-á a teoria social a abrir os seus campos de reflexão cognitiva, a fim de integrar, como conceitos compatíveis e distintos, os estudos da neurologia do cérebro, a psicologia e a sociologia? Se a resposta for afirmativa, isso implicará um trabalho em conjunto de noções como comunidade e sociedade, vida neural (inferior e superior), emoções emergentes (medo e vergonha), poder institucional e instabilidade da vida dependendo das condições do meio ambiente.

Topo da página

Bibliografia

COOLEY, Charles, 1909: Social Organization: a Study of the Larger Mind, New York: Charles Scribner’s Sons.

CRUZ, Manuel Braga da, 1986: Teorias Sociológicas I, Lisboa: Fundação C. Gulbenkian.

DORES, António Pedro, 2009: Espírito de Submissão, Coimbra: FCT/MCES, FCG, Coimbra Editora.

GEMMA, Zalmen, 2008: En el corazón del infierno - documento escrito por un Sonderkommando de Auschwitz - 1994, Barcelona: Anthropos.

GOLEMAN, Daniel, 2010/2006: Inteligência Social. A nova ciência do relacionamento humano, Lisboa: Círculo de Leitores.

PAMUK, Orhan, 2010/2008: O Museu da Inocência, Lisboa: Presença.

SCHEFF, Thomas J., 1990: “Shame and Conformity: the difference-emotion system”, in Thomas Scheff Microsociology: Discourse, Emotion, and Social Structure, Chicago: University of Chicago Press.

SCHEFF, Thomas J., 2002: “Shame in Self and Society”, Symbolic Interactions, http://www.soc.ucsb.edu/faculty/scheff/main.php?id=3.html

SCHEFF, Thomas J., s.d.: “Shame and the Social Bond: a sociological theory”, current, http://www.soc.ucsb.edu/faculty/scheff/main.php?id=2.html.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Quadro 1. Distinções comunidade/sociedade segundo Tonnïes
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/1174/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 64k
Título Quadro 2. Distinções comunidade/sociedade medo/vergonha nos casos concretos
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/1174/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 92k
Título Quadro 3. Análise das emoções caso a caso
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/1174/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 86k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

António Pedro Dores, « Medo e vergonha: emoções comunitárias e emoções sociais  », Revista Angolana de Sociologia, 7 | 2011, 43-54.

Referência eletrónica

António Pedro Dores, « Medo e vergonha: emoções comunitárias e emoções sociais  », Revista Angolana de Sociologia [Online], 7 | 2011, posto online no dia 12 Outubro 2016, consultado no dia 20 Novembro 2017. URL : http://ras.revues.org/1174 ; DOI : 10.4000/ras.1174

Topo da página

Autor

António Pedro Dores

Sociólogo. Doutor em Sociologia. Professor no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), com agregação. Investigador do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do ISCTE-IUL. Membro da Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento (ACED). Organizador dos livros Prisões na Europa. Um debate que apenas começa (Oeiras, 2003) e Ciências de Emergência (Buenos Aires, 2008); co-autor do livro Vozes contra o silêncio. Movimentos sociais nas prisões portuguesas (Lisboa, 2004); autor da trilogia “Estados de Espírito e Poder”, com os livros Espírito Proibicionista (Lisboa, 2010), Espírito de Submissão (Coimbra, 2009) e Espírito Marginal (Lisboa, 2010).

antonio.dores@iscte.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© SASO

Topo da página
  • Logo Associação Angolana de Sociologia
  • Logo Edições Pedago
  • Revues.org