Navegação – Mapa do site
Livros

Kimpa Vita, uma tragédia inacabada

Simão Souindoula
p. 189-191
Referência(s):

Serge Mboukou (2010). Messianisme et modernité. Dona Béatrice Kimpa Vita et le mouvement des antoniens, Paris: L’ Harmattan, 170 p.

Texto integral

1Uma tragédia inacabada é a grande conclusão que é tirada após a leitura da obra do congolês da margem direita, Serge Mboukou, Messianismo e Modernidade. Dona Beatriz Kimpa Vita e o movimento dos Antonianos, livro que acaba de ser publicada, em Paris, nas edições L’ Harmattan, na sua colecção “Religiões, Culturas e Sociedades”.

2Baseada na sua tese de doutoramento em antropologia social sobre os movimentos messiânicos de África subsaariana, o autor estabelece aí, com muito alento, os parâmetros do quadro da inevitável continuidade histórica entre a extraordinária epopeia da jovem “apóstata” kongo (1684-1706) e o insuperável proselitismo ao qual assistimos, actualmente, nesta parte do continente.

3O autor, visivelmente influenciado pela inflexível reapropriação pelo regime marxisante de Brazzaville, nos anos 70, da figura da “Profetiza Ardente”, esforça-se por analisar perspicazmente, numa metodologia comparativa, entre o agitado movimento dos “Ntoni” (1704-706) e as centenas de entidades neo-cristãs negro-africanas, os contextos históricos de emergência, o perfil dos sincretismos produzidos, as pretensões teológicas evocadas, as orientações casuísticas traçadas assim como os constrangimentos sociais e políticos suportados.

4O Professor da universidade francesa de Metz inscreve a aparição do “cismo” da iniciada da “Marimba do Kongo” e das suas réplicas contemporâneas, na dramática crise social e politica que vivia o Reino do Kongo, antes e depois da severa derrota de Ambuila, em Outubro de 1665 – tornada mais pesada pelo forte desenvolvimento do tráfico de escravos, belicista e corruptor, assim como por uma evangelização bem fracturante e pelo relativo marasmo económico no qual mergulha a maioria dos Estados subsaarianos, à imagem dos gigantes tais como a Nigéria ou o Congo da margem direita, terras de todas as vocações neo-cristãs, com os seus escorregamentos regionais.

Inculturação

5Serge Mboukou examina, em seguida, as opções dos sincretismos tomadas pela jovem profetiza kongo e os actuais “apóstolos”, ilustradas nas duas situações pela criação de ambiência de desenrolamento, verdadeiramente festivo, graças a poderosos membranofones e a uma persistente promiscuidade – que recorda as cerimónias tradicionais secretas, tais como as do kimpasi e outras animadas pelos nganga, tradi- práticos.

6Na dinâmica desta tela de fundo de inculturação, convergente, o antigo estudante da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais da capital francesa sublinha, nos dois casos, a lealdade à figura de Cristo.

7Como os fiéis da veloz sacerdotisa ligada a Santo António, os adeptos das capelas modernas esperam dos seus condutores, fecundidade e saúde.

8Mergulhados no desespero social, alguns desses dirigentes (como a grande voz do século XVIII apelando ao “Kiadi”, a Misericórdia para o Reino do Kongo) sugerem igualmente, em pleno século XXI, a restauração do antigo conjunto federal.

9As linhas de análise postas em relevo por Mboukou, antropólogo da modernidade, constituem balizas essenciais na procura de soluções para a proliferação de seitas religiosas em África – fenómeno que se exacerbou nos fins dos anos 80, a favor da liberalização do quadro histórico global do continente.

10Esta mudança foi resultado de um conjunto de efeitos derivando da implacável mecânica da mundialização, cujo imparável desenvolvimento se fez paralelamente com a outra globalização, o bem nomeado catolicismo, que afogueou Kimpa Vita.

11Esses desenlaces não devem inspirar-se na cruel sentença decidida contra a jovem profetiza e os seus companheiros. Devem, pelo contrário, ser resultado de diagnósticos profundos de carácter histórico, antropológico e sociológico.

Fogo da Inquisição

12Com efeito, esta perspectiva é a única aceitável, sobre dois contextos históricos que produziram efeitos quase concordantes.

13A tragédia da queimada de Evolulu, nos arredores da actual capital da província angolana do Zaire, é uma das páginas mais emocionantes da história de África. Foi por isso que ela suscitou vários trabalhos científicos, pedagógicos e obras literárias, tais como o do guineense Ibrahima Baba Kaké e do francês Bernard Rouzet, Dona Béatrice: la Jeanne d’Arc congolaise e a célebre peça de teatro intitulada Beatrice du Congo, do escritor ivoirense Bernard Dadie.

14Este dramático episódio suscitou igualmente uma nova vaga de reapropriação, como a decisão tomada pelo governo de Angola, há quatro anos, de associar o nome da “vítima” dos padres italianos Bernardo da Gallo e Lorenzo di Lucca, a uma das Universidades estatais do país.

15Em suma, para Serge Mboukou, a história do Planalto incendiado de 2 de Julho de 1706 é de uma pertinente actualidade.

16Com efeito, como os habitantes da Kongo dia Ngunga (Kongo dos Sinos) que se apressaram a recolher, na madrugada do dia a seguir ao fogo da Inquisição, os restos calcinados da Mártir, centenas de milhares de africanos integram hoje, piedosamente, os neo-baptistérios a fim de diminuir as suas lancinantes angústias existenciais.

17Enfim, as cinzas, certamente quentes, da Santa Dona serão ressentidas durante o Colóquio sobre Simon Kibangu, que terá lugar em Kinshasa e Nkamba, a “Jerusalém Negra”.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Simão Souindoula, « Kimpa Vita, uma tragédia inacabada », Revista Angolana de Sociologia, 7 | 2011, 189-191.

Referência eletrónica

Simão Souindoula, « Kimpa Vita, uma tragédia inacabada », Revista Angolana de Sociologia [Online], 7 | 2011, posto online no dia 13 Outubro 2016, consultado no dia 22 Julho 2017. URL : http://ras.revues.org/1241

Topo da página

Autor

Simão Souindoula

Antropólogo. Conselheiro do Ministro da Cultura de Angola, Vice-presidente do Comité Científico da UNESCO “A Rota de Escravos”, consultor da União Africana, Director do International Networking Bantulink, antigo Director do Museu da Escravatura (Luanda, Angola) e antigo docente de História na Universidade Agostinho Neto (Lubango, Angola).

souindoulasimao@yahoo.fr

Topo da página

Direitos de autor

© SASO

Topo da página
  • Logo Associação Angolana de Sociologia
  • Logo Edições Pedago
  • Revues.org