Navegação – Mapa do site
Obituário

A propósito do passamento do Pe. Muanamosi Matumona - O Padre erudito e intelectual1

Paulo de Carvalho
p. 206-208

Texto integral

  • 1 Artigo publicado no Semanário Angolense, Luanda, 16 de Abril de 2011.

1Como é habitual, hoje de manhã cumpri o ritual de ligar o telemóvel depois de me levantar da cama. Como tinha ficado a trabalhar até tarde, despertei pouco antes das 7 horas.

2Entrou logo de imediato uma mensagem seca, com o seguinte teor: “Muanamosi, Director-Geral da Rádio Ecclesia, morreu ontem à noite.” Como assim? – indaguei-me. Reli a mensagem, enviada às 6h32 pelo meu colega e amigo Joaquim Paulo da Conceição.

3O que havia a fazer, então? Nada mais poderia ser feito. O amigo Muanamosi tinha já passado para outra dimensão, uma dimensão por onde todos já passámos e onde todos nos havemos de reencontrar, independentemente da posição social que cada um ocupa deste lado da barricada.

4Puxa, que aborrecido ele não me ter enviado o texto para a conferência que tinha ficado de proferir no Porto, esta sexta-feira. Que coisa… Teria sido tão bom o nosso amigo Kajibanga apresentar a comunicação do Padre Matumona, recordando assim a sua memória de forma exemplarmente académica.

5Chegaram, logo a seguir, mensagens com idêntico teor, remetidas pelo também sociólogo Manuel João Fernando, pelo meu amigo Afonso Dala e pelo mano Arlindo Isabel. Não havia volta a dar. Ligar a rádio? – pensei. Não, não vale a pena – decidi. Não há volta a dar, mesmo.

6Lá tive que dar a notícia ao Kajibanga, que está no Porto. Fi-lo por mensagem telefónica, nos seguintes termos: “Não vais poder apresentar a comunicação do Pe. Muanamosi Matumona. Faleceu ontem à noite…” E telefonei a apresentar os pêsames ao irmão do amigo Muanamosi, o Prof. Ntalani Manuel, colega da Faculdade de Economia.

7Foi na passada quinta-feira, 7 de Abril, que tentei entrar em contacto telefónico com o Pe. Matumona. Queria abordar a possibilidade de ele presidir ao júri de licenciatura de um estudante nosso, do curso de Comunicação Social. Não consegui o contacto. Insisti várias vezes na sexta-feira de manhã e em nenhuma delas obtive resposta do colega. Não atendia as chamadas. Por isso, enviei a seguinte mensagem: “Sr. Padre, bom dia. Tem disponibilidade para integrar um júri, para defesa na próxima semana? Volto a ligar.”

8Nas minhas andanças desse dia, pensei em passar pela Rádio Ecclesia para fazer o contacto. Mas não passei, porque às 12h14 (finalmente!) chegou mensagem do colega Matumona: “Estou fora da cidade, em retiro. Ligo depois do jantar, para responder. Obrigado pela compreensão.”

9Estava tudo esclarecido. Aguardaria, pois pelo seu feed-back. Mas nesse dia não telefonou. Nem nesse dia, nem em qualquer outro. Lá fui insistindo no sábado e domingo, sem conseguir sequer ligação. Remeti mais duas mensagens, porque a decisão de composição do júri tinha de ser tomada até domingo à noite, para distribuição do trabalho, pré-defesa e defesa no espaço dos próximos 10 dias.

10Nesse domingo, dia 10, quando eram 17h20, chegou a seguinte mensagem ao meu telemóvel: “Avisa Dr. Kajibanga que já não vou ao Porto. Estou internado Hosp. Militar. Tensão altíssima.”

11Apanhei um susto. Não esperava. Que problemas teria ele, para lhe ocorrer um incidente destes? Como é habitual, pensei que teria sido algo passageiro. Mas é claro que tratei imediatamente de lhe retirar a tarefa de leitura de um trabalho de licenciatura, tendo assumido eu substituí-lo.

12Dei-lhe a conhecer os dois factos – a surpresa e a decisão de o substituir eu. Dele, recebi a seguinte mensagem: “Foi surpresa.” Quer dizer que a súbita subida de tensão arterial tê-lo-á apanhado desprevenido, pois que eu saiba até não estava a tomar medicamentos com esse fim.

13Lá prossegui eu: “Muito repouso e deixe de lado as preocupações, Sr. Padre. Precisamos de si com saúde!” E dele recebi, já à noite: “Obrigado.” Foi esta a última mensagem que recebi do colega Matumona. Depois disso lá fui insistindo diariamente, sem qualquer resultado. E do Víctor Kajibanga recebi a incumbência de obter dele o texto da comunicação, para ser apresentado na conferência do Porto. Não consegui obtê-lo. Estava a pensar passar pelo hospital na quinta-feira para tratar disso. Debalde. Era já tarde demais. Afinal, ainda que tivesse passado por lá na quarta-feira, não o teria visto, pois estava já na divisão de cuidados intensivos.

14* * *

15Em várias ocasiões privei com o Pe. Dr. Muanamosi Matumona. Conheci-o através dos seus escritos, que o Víctor Kajibanga colecciona. O Kajibanga conheceu-o depois numa conferência, mas eu não o conheci nessa altura pois estava na sala ao lado e ele depois desapareceu.

16Como soube que esteve uns tempos em Roma, tive que andar à cata do endereço electrónico do Pe. Matumona para o convidar a integrar o Conselho Científico da Revista Angolana de Sociologia. Quem me ajudou a consegui-lo foram colegas do Jornal de Angola, nomeadamente o Cafussa, o Caetano e o Aleluia. E assim começou um relacionamento cordial próximo, que fomos mantendo e avivando ao longo dos últimos anos.

17Deu-me todo o apoio, sempre que dele precisei. Também apoio espiritual dele recebi, em várias ocasiões.

18O nosso último convívio ocorreu durante a correcção das provas do exame de admissão ao curso de Comunicação Social da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto. Nessa altura, em Março último, rimo-nos a bom rir com os muitos disparates escritos pelos candidatos que prestaram tal exame.

19* * *

20O Padre Matumona era sacerdote católico na Diocese do Uíge, tendo estudado Filosofia, Teologia, Sociologia e Ciências da Comunicação no Porto e em Lisboa. Pós-graduado em Comunicação Social, tinha ainda um Doutoramento em Teologia Fundamental pela Universidade Católica Portuguesa e estava a preparar um Doutoramento em Sociologia. Depois de se ter fixado recentemente em Luanda, passou a ser docente do curso de Comunicação Social na Faculdade de Ciências Sociais da UAN, onde é regente das disciplinas de Sociologia, Sociologia da Comunicação, Retórica e Argumentação, Técnicas de Imprensa e Atelier de Jornalismo escrito e Foto-reportagem.

21Como jornalista, trabalhou no “Jornal de Angola”, no “Jornal dos Desportos” e, recentemente, na Rádio Ecclesia, onde assumia a função de Director.

22Erudito, com largos milhares de horas de leitura e de reflexão, o Pe. Muanamosi Matumona deixa vasta obra académica. Para além de artigos em revistas académicas, é autor dos seguintes livros:

23- Filosofia Africana na linha do tempo. Implicações epistemológicas, pedagógicas e práticas de uma ciência moderna (2010),

24- Os media na era da globalização. Para uma sociologia do jornalismo angolano (2009), que tive a honra de prefaciar,

25- Teologia Africana da Reconstrução como novo paradigma epistemológico. Contributo lusófono num mundo em mutação (2008),

26- Cristianismo e Mutações Sociais. Elementos para uma Teologia Africana da Reconstrução (2005),

27- A Reconstrução de África na Era da Modernidade. Ensaio de uma Epistemologia e Pedagogia da Filosofia Africana (2004),

28- Jornalismo angolano. História, desafios e perspectivas (2002).

29Por tudo isto, espero que o ISCED do Uíge (onde leccionou durante vários anos) e a Faculdade de Ciências Sociais da UAN atribuam o nome do Dr. Muanamosi Matumona a uma sala de leitura, anfiteatro ou biblioteca. Pela obra que deixou e por ter erguido o nome da sua cidade, penso que o Município do Uíge deva também atribuir o seu nome a uma das ruas por si frequentadas.

30Foi-se o homem, fica a obra. Rendamos homenagem ao sociólogo, jornalista, teólogo e pastor Muanamosi Matumona. Que o seu exemplo seja seguido por outros jovens que abracem as profissões de sociólogo e de jornalista.

31Nós, que com ele privámos, orgulhamo-nos de ter conhecido e de termos como colega o Padre erudito, intelectual e, simultaneamente, jornalista desportivo que vivia o desporto com sentida emoção. Assim o recordaremos.

Topo da página

Notas

1 Artigo publicado no Semanário Angolense, Luanda, 16 de Abril de 2011.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Paulo de Carvalho, « A propósito do passamento do Pe. Muanamosi Matumona - O Padre erudito e intelectual », Revista Angolana de Sociologia, 7 | 2011, 206-208.

Referência eletrónica

Paulo de Carvalho, « A propósito do passamento do Pe. Muanamosi Matumona - O Padre erudito e intelectual », Revista Angolana de Sociologia [Online], 7 | 2011, posto online no dia 13 Outubro 2016, consultado no dia 22 Setembro 2017. URL : http://ras.revues.org/1250

Topo da página

Autor

Paulo de Carvalho

Sociólogo.

Doutor em Sociologia pelo ISCTE (Lisboa, Portugal) e Mestre em Sociologia pela Universidade de Varsóvia (Polónia). Professor Titular na Universidade Agostinho Neto. Foi Reitor da Universidade Katyavala Bwila (Benguela, Angola – 2009-2011) e dirigiu a Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto (2005-2006). É investigador no CIES do ISCTE–Instituto Universitário de Lisboa. É autor de dezenas de pesquisas sociológicas com utilização de técnicas qualitativas e quantitativas, tendo como principais áreas de investigação: a exclusão social, a pobreza, a Sociologia Política, os problemas sociais, as normas de consumo, as relações étnicas, a delinquência e a audiência de media. É autor, dentre outros, dos livros: A campanha eleitoral de 2008 na imprensa de Luanda (Luanda 2010); Exclusão Social em Angola. O caso dos deficientes físicos de Luanda (Luanda 2008), «Até você já não és nada…!» (Luanda 2007), Angola. Quanto Tempo Falta para Amanhã? Reflexões sobre as crises política, económica e social (Oeiras 2002), Audiência de Media em Luanda (Luanda 2002), Estrangeiros na Polónia. Adaptação, estereótipos e imagens étnicas (Luanda 2002 e Varsóvia 1990) e Estrutura Social da Sociedade Colonial Angolana (Varsóvia 1989). Foi agraciado com o o Prémio Nacional de Cultura e Artes de Angola, na modalidade de investigação em ciências sociais e humanas (2002).

É editor da Revista Angolana de Sociologia.

paulodecarvalho@sociologist.com

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© SASO

Topo da página
  • Logo Associação Angolana de Sociologia
  • Logo Edições Pedago
  • Revues.org