Navegação – Mapa do site
Notas de Pesquisa

Diário de bordo

Angola – março 2010
Jacinto Rodrigues
p. 165-179

Notas da redacção

Recebido a: 13/Maio/2012
Enviado para avaliação: 26/Agosto/2012
Recepção da apreciação: 11 e 16/Setembro/2012
Aceite para publicação: 17/Setembro/2012

Texto integral

5ª feira, 4 de Março 2010

1Parti de avião, de Lisboa.

6ª feira, 5 de Março 2010

2Chegada a Luanda, às 6h30 (hora local). Preparo-me para mais uma viagem de avião até ao Namibe, no dia seguinte.

Sábado, 6 de Março 2010

3O Dr. Samuel Aço telefonou-me para estar às 10 horas da manhã no aeroporto militar de Luanda. Encontrei-me então com jovens estudantes que esperavam num hangar do dito aeroporto. Falámos sobre o Seminário que o Centro de Estudos do Deserto (CE.DO) ia realizar. A maior parte dos jovens eram estudantes finalistas de Antropologia na Universidade Agostinho Neto.

4Aguardámos bem umas duas horas na “cavaqueira”. Aproveitei para registar em vídeo algumas das conversas sobre as expectativas. No meio dos alunos encontrei o Cláudio Fortuna, que já me tinha entrevistado na conferência que dei em Luanda, na minha anterior viagem a Angola, em Julho e Agosto de 2009.

5Entretanto, um graduado da aviação militar veio buscar-nos ao hangar. O Samuel Aço já tinha também chegado. Seguimos ao longo do enorme terreiro e dirigimo-nos para um “Antonov 37”, que estava estacionado a meio da pista. Era uma nave gigante. Subimos o bojo do enorme pássaro de metal. Era impressionante. Podia carregar jeeps e blindados. Encostadas às paredes da enorme carcaça, distendiam-se caixas de madeira que serviam de assento.

6O calor era insuportável. Instado pelas reclamações dos jovens, os pilotos russos abriram a enorme boca traseira onde o Antonov 37 recebe as grandes cargas. Entrou então uma lufada de ar fresco. O imenso bojo do aparelho voador funcionava como uma enorme chaminé fazendo bombear bioclimaticamente essa lufada de vento.

7Mais confortáveis e risonhos, verificámos no entanto o ar preocupado e os gestos apressados dos pilotos russos. O motor não arrancava! O russo mais velho, talvez o engenheiro da equipa, tirou duma das caixas onde estávamos sentados, algumas ferramentas e maquinetas ali amontoadas.

8O Aço e eu, sentados outra vez na caixa de madeira, interrogávamo-nos sobre o que estava a acontecer. Passou mais uma hora. Mais outra hora ainda. Entretanto, uma certa agitação começava a tomar lugar entre os jovens, em especial das raparigas que já punham a hipótese de não embarcarem no velho avião militar.

9Valeu-nos as piadas de um jovem estudante que, ao telefone, relatava em voz alta, exageradamente, as peripécias que nos estavam a acontecer. Relatava com um exagero evidente que o piloto russo desmontava o motor, empoleirado nas asas do pássaro mecânico, enquanto o avião planava no ar! Rimo-nos todos com a história que o jovem contava à namorada, embevecida com a aventura aérea do namorado.

10O avião estava ainda em terra… mas a avaria era real! Entretanto, passadas várias horas, um motor começou a trabalhar. Faltava porém ainda, o motor da outra asa. Mais uma hora passou para que tudo funcionasse! Depois, o “Antonov” roncando, lançou-se para aquele imenso céu azul e luminoso que vislumbrávamos pelas pequenas vigias ovais. Risos e uma nova “galhofa” surgiram nessa aventurosa viagem. Finalmente, a aterragem fez-se no aeroporto Yuri Gagarin, perto da cidade do Namibe. Esperava-nos um jeep e o velho “Onimog” do CE.DO.

11Angola reservava-nos ainda novas aventuras. Em Angola seguem-se sempre várias iniciativas. Os desafios são contornáveis e os momentos mais difíceis são quase sempre superados.

12Na viagem de jeep, veio connosco um coronel licenciado em Antropologia. A estrada está como nova. Corríamos velozes no piso liso vendo os campos desertos onde, aqui e ali, se vislumbravam, por vezes, algumas welvitchias mirabilis. São como pequenos oásis na imensidão do deserto. Virámos à esquerda e entrámos na estrada de picada que fizemos o ano passado. Finalmente, chegámos a Njambasana com o pôr-do-sol. Distribuíram-se os quartos e fomos mastigar o jantar na escola de artesanato.

13Seguiu-se um encontro com o professor Dominguez, cientista espanhol-marroquino que se encontra a trabalhar no Namibe. Encontro também com a Dra. Paula Camunhoto, do Ministério do Ambiente.

Domingo, 7 de Março 2010

14Fiz uma comunicação sobre a ecossustentabilidade, “A ecologia na luta contra a desertificação” no âmbito do 2º Seminário Internacional do CE.DO A Relevância dos Estudos Antropológicos em Angola, Njambasana (Kuroka-deserto do Namibe).

15Referi as relações da biosfera e da tecnosfera actual. Explicitei o historial ecológico de Vernadsky e de Fosorme, revelando a relação complexa da teia da vida (biocenose) com o biótopo. Analisei os antagonismos existentes hoje entre a biosfera e o actual modelo civilizacional que criaram esgotamento, contaminação e exclusão social. Apontei soluções ecotecnológicas e referi alternativas a este modelo civilizacional catastrófico.

2ª feira, 8 de Março 2010

16Conversa com os estudantes sobre Sociologia do Desenvolvimento.

17Diferenciação dos conceitos de crescimento e desenvolvimento ecologicamente sustentável. Viagem ao deserto do Kuroka, às ruínas do “Custódio” a alguns quilómetros de Njambasana. Era uma antiga destilaria feita de adobe com uma sólida estrutura e um reboco onde foram introduzidas pequenas pedras nos espaços intersticiais dos blocos, de modo a gerar-se uma estrutura mais sólida e impedir a erosão.

18Ouvimos a história, contada pelo professor Samuel Aço, do capataz que era um verdadeiro criminoso para com os trabalhadores da destilaria. Pudemos observar que a anterior área ecológica do território se tinha desertificado. Anteriormente, aquela terra produzia cana-de-açúcar. A desertificação é galopante nesta área, onde apenas os “óasis” do Arco e do Carvalhão vão resistindo ao avanço das areias.

19Começo a analisar o aldeamento de Njambasana. Observo a paisagem e faço um levantamento rápido dos equipamentos. Ao mesmo tempo, empreendo algumas conversas sobre metodologia de análise social. Entrevisto, com a máquina de filmar, o Samuel Aço, a Teresa e o Jacinto Domingos Manuel procurando, através das histórias de vida, reflectir sobre a situação social da região.

20Enviei, mais tarde ao Samuel Aço, e-mails que resumem essas reflexões e que aqui transcrevo:

  • 1 Descrevi essa experiência no meu livro editado pela Profedições, intitulado Sociedade e Território. (...)

“(…) Prefiro metodologias mais simples, apropriáveis pelas populações e que são comprovadamente eficazes e não agressivas ao meio ambiente.
Assim, podíamos ensaiar alguns dos princípios de Ernst Gotsch, que podes consultar no meu blogue (http://jacintorodrigues.blogspot.com) e tentar as técnicas de Pierre Rabhi,
1 que vi utilizar em Marrocos num estágio que aí fiz. A ideia consiste em criar pequenos oásis com plantas locais, descentralizados e em bandas dispersas, de maneira a constituírem agrupamentos que permitem uma mudança higrométrica favorável à não desertificação.
Constatei, quando aí estive no Kuroka, que as
welwitchias mirabilis constituíam oásis onde se reconstruíam eco-sistemas múltiplos de vida.
Esta teia de vida oculta torna-se o melhor meio de propagação de mudanças climáticas positivas.
Seria do maior interesse conseguir meios económicos para convidar o Pierre Rabhi a ir ao Kuroka, organizando um seminário internacional, se possível.
Estou disponível para o contactar assim que me confirmes que existem condições para ele se deslocar de França aí.
É um homem simples e do deserto, que aceita condições mínimas de logística e se move por opções filantrópicas e solidárias.”

21Já em 2009 tinha enviado ao Samuel Aço (do CE.DO) um e-mail com várias informações numa perspectiva de ecodesenvolvimento local:

  • 2 Trata-se da então designada “Universidade de Benguela”, instituição privada que funcionava ainda se (...)

“(…) Durante a minha viagem à Suíça e França, após ter chegado de Angola, comecei a tentar encontrar apoios para o CE.DO:
• Contactei um amigo engenheiro (Dennis), que é um especialista da energia solar e pode ser muito útil para um projecto de forno solar e fogões domésticos (solares) que, tal como eu referi em Njambasana, seriam muito úteis para a região do Namibe, conforme explicito também no Relatório que aqui te envio, assim como a carta que ele me escreveu e os documentos que me enviou. Este projecto do forno solar, assim como dos fogões solares terá o maior interesse se for feito em parceria com outras associações susceptíveis de pegarem no assunto.
• Contactei também a Universidade de Benguela
2, que poderia eventualmente trabalhar em parceria com o CE.DO sobre este projecto.
• Também uma minha ex-professora francesa de nomeada internacional, Françoise Choay, a quem solicitei apoios científico-culturais, sugeriu-me nesta primeira etapa uma cobertura fotográfica que desse a conhecer no estrangeiro a problemática do deserto do Namibe.
Diz-me alguma coisa em relação a estes dois projectos (forno solar multifuncional industrial e forno solar–fogão doméstico), pois se eles interessarem ao CE.DO retomarei estes e outros contactos no sentido de encontrar meios ecotecnológicos e ecoculturais para ajudar o CE.DO.
Gostaria contudo que me mandasses uma atestação como membro fundador do CE.DO e indigitado para colher estas e outras informações que possam levar a um estudo prévio e à concretização do projecto.
O documento pode ser em português ou francês.”

  • 3 Africana Studia, Revista Internacional de Estudos Africanos, nº 10, Porto, 2007.

22Sobre o Centro de Estudos do Deserto (CE.DO), tenho reflectido e a minha proposta seria a de transformar este aldeamento num ecoaldeamento. Escrevi na Revista Africana Studia, nº 103, editada pelo CEAUP, alguns contributos que podem ser úteis para a melhoria deste local mas, resumindo, a ideia--chave é tornar o CE.DO num centro difusor de sustentabilidade ecológica, não apenas nos discursos ou lições teóricas, mas também no funcionamento da logística construtiva (casas, produção agrícola, energética, piscícola, etc.) e na reciclagem dos ditos “lixos”, de modo a serem transformados em nutrientes.

23As minhas intervenções junto dos alunos e da administração de Njambasana vão no sentido de criar um centro, baseado naquilo que tenho vindo a defender em conferências várias, isto é, fundamentado num metabolismo circular que revele um ecossistema sustentável.

  • 4 Esta comunicação veio a ser publicada na Revista Angolana de Sociologia, RAS, nº7, Luanda, Junho de (...)

24Durante os seminários no Kuroka, em Benguela e em Luanda, abordei a experiência do Centro de Songhai4 como um “centro de excelência” que configura essa ideia de habitat sustentável em África.

25Para conseguir concretizar estes projectos, a metodologia de investigação-acção é essencial. Os workshops devem-se traduzir, para cada interveniente, numa etapa decisiva de pedagogia iniciática e, socialmente, devem levar à edificação de casas e bairros ecológicos com parques de energias renováveis, hortas pedagógicas e biológicas e reciclagem de “lixos”, de modo a que todo o conjunto funcione de forma ecologicamente sustentável, transformando o “lixo” em nutrientes.

26O plano estratégico deste ecoaldeamento para o CE.DO tem como proposta essencial uma organização hídrica que permitiria a manutenção de jardins filtrantes ligados à lagoa do Kuroka, de modo a obter água potável para as populações e por outro lado o retorno de águas usadas para biodepuração e utilização no regadio da biomassa que fertilizaria o terreno para uma bioflorestação capaz de evitar a evapotranspiração desertificante, conservando assim a humidificação na área do Kuroka, gerando toda uma bioclimatização capaz de reverter a desertificação a que está sujeita aquela zona.

27Pequenas intervenções de plantações descentralizadas ao longo do território do aldeamento funcionariam como catalisadores dessa bioclimatização, propiciando simultaneamente alimentação para os habitantes da aldeia.

4ª feira, 10 de Março 2010

28Fomos à cidade do Namibe (antiga Moçâmedes). Visitei um pouco a cidade e entrei no Museu de Antropologia, onde fiz uma pequena entrevista ao Director, Dr. Martinho. Em seguida partimos em direcção ao Lubango, atravessando a Chela, esse extraordinário maciço, coração da África Austral. Ficámos hospedados num velho hotel do tempo colonial, o Grande Hotel do Lubango.

5ª feira, 11 de Março 2010

  • 5 W. I. Vernadsky La biosphère, Ed. Librairie Félix Alcan, 1929.

29Parto numa camioneta, em direcção a Benguela.

30Fiz um acidentado percurso de 9 horas entre o Lubango e Benguela, onde apanhei trovoadas estrondosas e vi as picadas transformarem-se em leitos de rios revoltosos.

31Chegado à estação de Benguela, o jovem recepcionista da Universidade, talvez convencido de que eu tivesse desaparecido, mais a camioneta, nas levadas de água da viagem, não estava à minha espera. A minha canela ensanguentada começava a doer. Preparava-me para apanhar um táxi-mota e levar a mala à cabeça, quando me deram boleia num carro, cujo motorista, comiserado com a minha trágica figura de “mais velho”, desequilibrado naquela mota-táxi desengonçada, me deu boleia até ao Hotel Luso. Valeu-me, assim, essa auspiciosa fraternidade dos irmãos angolanos.

6ª feira, 12 de Março 2010

32De manhã segui para a Universidade Katyavala Bwila (UKB), onde assisti à abertura oficial do ano lectivo e proferi a oração de sapiência sob o tema “A abordagem ecológica e o território”.

33À abertura do ano lectivo presidiu o Reitor, Professor Doutor Paulo de Carvalho. Foi uma cerimónia oficial em que estiveram presentes diversas autoridades políticas, sociais e religiosas. Não faltou também uma representação teatral e musical, feita pelos estudantes desta Universidade.

Oração de sapiência – Universidade Katyavala Bwila (Benguela)

Notas da comunicação oral

  1. Copérnico, no século XVII, está na origem da revolução científica que iria consolidar-se, com Kepler e Galileu, naquilo que se definiu como paradigma da modernidade. Assim, a matematização do real através de Galileu e a concepção heliocêntrica de Copérnico, estabelecem os principais critérios da física moderna.

  2. Porém, no início do século XX, com Einstein e Max Planck, aparecem as principais rupturas que põem em causa esse paradigma mecânico, dito moderno. Com efeito, a teoria quântica relativista, tornou necessária uma nova perspectiva emergente para compreender o universo, impondo uma avaliação crítica sobre a concepção da matéria.

  3. Com o irromper da ecologia, a visão do cosmos dá lugar a uma outra interpretação. O cientista russo Vernadsky5, defendeu em França, em 1923, na sua tese de doutoramento – a biosfera – uma nova maneira de pensar o planeta terra. O conceito de biosfera como ecossistema geral, em interacção com todos os ecossistemas, numa complexidade onde a teia da vida se articula com o biótopo, trouxe uma perspectiva de resiliência que se afasta da redutora concepção mecanicista.

    • 6 Thomas Kuhn The Copern ican revolution: planetary astronomy in the development of Western thought, (...)
    • 7 Thomas Kuhn The structure of scientific revolutions, University of Chicago Press, 1964.

    Em 1956, Thomas Kuhn dá-nos conta da emergência do novo paradigma. A crítica epistemológica do conhecimento científico anterior é analisada no seu livro “Revolução Copernicana”6 que revela a insustentabilidade de um modelo continuista e cumulativo do conhecimento científico, tal como era anteriormente aceite. Em 1962, este físico, dotado duma grande preocupação pela epistemologia científica, elabora uma nova reflexão. “A estrutura das revoluções científicas”7 é uma obra transdisciplinar que mostra a complexidade da ciência e a sua relação com a história, a filosofia e a sociologia do conhecimento. Assim, Thomas Kuhn mostra que o “progresso” científico não é linear. Efectiva-se, antes, através de rupturas paradigmáticas, através de “saltos” que resultam de crises, lançando hipóteses novas. Essas hipóteses novas aparecem como “conversões” na apreensão da realidade. O alargamento da consciência faz-se durante esses saltos em que a própria linguagem e o novo olhar exigem perguntas novas. Em 1969, Kuhn alarga a sua tese da teoria do conhecimento científico à filosofia contemporânea. Abrange assim o conceito de “episteme” de Foucault, e o conceito de “desconstrução” defendido por Derrida. Supera-se simultaneamente o empirismo tecnocrático, o estruturalismo neopositivista e o logocentrismo idealista.

    • 8 Ludwig Von Bertalanffy Teoria Geral dos Sistemas: Fundamentos, Desenvolvimento e Aplicações, Ed. Vo (...)
    • 9 Edgar Morin La Méthode, Ed. du Seuil, 1977.
    • 10 Gregory Bateson Steps to an ecology of mind, University of Chicago Press, 2000.
    • 11 Joel de Rosnay L’aventure du vivant, Éd. du Seuil, 1988.
    • 12 Renné Dumont L’Afrique noire est mal partie, Ed. du Seuil, 1966.
    • 13 Jacques Ellul La technique ou l’enjeu du siècle, Ed. Knopf, 1964.

    As contribuições da teoria geral dos sistemas de Ludwig von Bertalanffy8 assim como as achegas dos filósofos da complexidade, da sistémica e das preocupações transdisciplinares como Edgar Morin9, Gregory Bateson10 e Joel de Rosnay11, confluem numa reflexão crítica à tecnociência (modelo mecanicista, poluidor e destruidor). Com efeito, denuncia-se a esgotabilidade e a contaminação do planeta, como fez o agrónomo Renné Dummond12, ao mesmo tempo que o filósofo Jacques Ellul13 defende a ecotecnologia como uma alternativa à tecnociência dominante, permitindo-se uma tecnologia apropriável, não poluente e baseada em energias renováveis.

    • 14 Georgescu Roegen La décroissance: entropie, écologie, économie, Ed. Sang de la Terre, 1995.
    • 15 René Passet L’illusion néo-libérale, Flammarion, 2001.
    • 16 Serge Latouche L’autre Afrique: entre don et marche, Ed. A. Michel, 1998.
    • 17 Pierre Rabhi L’offrande au crépuscule: témoignage, Ed. Editions de Candide, 1989.

    Todo este debate sobre a técnica tem repercussões no conjunto dos pensadores que põem em causa o conceito eurocentrista de crescimento económico. Por isso, esta reflexão aprofundada leva-nos a uma noção globalizante de “bio-economia”, ou seja, a inserção da economia na problemática da biosfera, afastando-se da concepção reducionista da economia operativa e contabilística. Os trabalhos de Georgescu Roegen14 abrem assim perspectivas de relação entre sociedade e território, desenvolvimento e potencialidade da biosfera. Esta nova ecosofia alteromundialista é sustentada por sociólogos, economistas e filósofos de grande prestígio ético, como René Passet15, Serge Latouche16 e Pierre Rabhi17, entre outros, que fazem a crítica ao modelo tecnocientífico e às propostas de crescimento que lhe estão subjacentes e que tantos estragos trouxeram e trazem à Humanidade: desertificação, desflorestação, mudanças climáticas e exclusão social.

    • 18 Gro Harlem Brundtland Our Common Future, NY, United Nations, 1987.
    • 19 Idem.

    Com o Relatório Brundtland18, em 1987, divulga-se um princípio ético essencial na defesa do planeta e das gerações futuras. Ou seja, “um desenvolvimento ecologicamente sustentável, capaz de satisfazer as necessidades presentes sem comprometer as necessidades das gerações futuras” .19

  4. A conferência do Rio, em 1989, vai ser crucial no alargamento de toda esta problemática ecológica que obriga a uma nova abordagem geoestratégica e faz surgir a perspectiva do ecodesenvolvimento. Assim, o paradigma mecanicista que considerava a cidade como mega-máquina ou a casa como máquina de habitar, dá lugar a um paradigma emergente em que a ecologia se torna essencial. A máquina, do paradigma anterior, baseia-se no metabolismo linear que produz lixo no seu funcionamento poluente e esgotável. O ecossistema, ao contrário, baseia-se no metabolismo circular que, aproveitando as energias renováveis da biosfera, restitui nutrientes recicláveis pelo próprio ecossistema.

    • 20 Abel Wolmann foi professor de Engenharia em várias universidades dos Estados Unidos da América e re (...)
    • 21 William McDonought & Michael Braungart Cradle to cradle: remaking the way we make things, Ed. North (...)
    • 22 Janine M. Benyus Biomimicry: innovation inspired by nature, Ed. Morrow, 1997.
    • 23 Jaime Lerner Acupunctura Urbana, Editora Record, 2003.

    Os trabalhos de Abel Wolmann20 e Macdonought21 expressam a necessidade de um novo urbanismo e ordenamento do território. O biomimetismo desenvolvido por Janine Benyus22 pretende utilizar modelos experimentados pela natureza, aplicando-os às ecotecnologias contemporâneas. Por exemplo, a bioclimatização dos edifícios pode conseguir-se através do estudo de plantas e animais. A termiteira é um exemplo importante na aplicação da arquitectura bioclimática. Também a nanotecnologia traz vantagens substantivas pela economia de materiais e pela diminuição do uso energético. A revolução ecotecnológica em marcha está já a revelar-se através de experiências exemplares: cidades do conhecimento, organização sinergética entre os vários sectores de produção, bioclimatização dos edifícios, concepção de acupunctura urbana, Jaime Lerner23 que, intervindo estrategicamente em lugares singulares, desencadeia processos de dinâmicas múltiplas que afectam positivamente o território em geral. Os sistemas de biodepuração, favorecendo a reutilização de águas residuais e permitindo a compostagem orgânica para a regeneração dos solos, constituem o fundamento para a nova estratégia do desenvolvimento ecologicamente sustentável em que o pensamento verde articula a visão global com a intervenção local. Surgem assim dispositivos estratégicos que, pouco a pouco, desconstroem o paradigma mecanicista e redutor, metamorfoseando a sociedade e o território num possível mundo melhor.

Algumas imagens do Power Point apresentado durante a comunicação

Edifício Bedzed, na periferia de Londres, do arquitecto Dumster.

Edifício Bedzed, na periferia de Londres, do arquitecto Dumster.

Este edifício foi construído com materiais recicláveis e utiliza energias renováveis (solar e eólica). Tem tectos verdes, o que permite uma bioclimatização.

A cidade de Kalundborg, na Dinamarca

A cidade de Kalundborg, na Dinamarca

A cidade de Kalundborg, na Dinamarca, é uma eco-cidade que utiliza as múltiplas sinergias das empresas e indústrias selectivamente escolhidas de modo a criarem uma inter-ajuda no processo produtivo: a água quente da refinaria vai permitir o aquecimento das habitações e ao mesmo tempo a criação de piscinas para produção de peixes. Os resíduos de algumas empresas servem de materiais de construção. Os detritos orgânicos dos animais servem de compostagem para a bio-regeneração da agro-ecologia utilizada em Kalundborg.

Freiburg – Alemanha

Freiburg – Alemanha

Freiburg – Alemanha. Nesta cidade, as populações desempregadas que pertenciam a um centro de aeronáutica foram reorientadas na sua formação profissional, dedicando-se à produção de sistemas solares (termo e fotovoltaico). A cidade de Freiburg tornou-se assim exemplar pela sua auto-suficiência energética, fabricando também protótipos para a indústria.

Curitiba – Brasil

Curitiba – Brasil

Curitiba – Brasil. Uma campanha de eco-cidadania permitiu a organização das populações na recolha e separação dos “lixos”. Com efeito, os lixos tornaram-se riqueza, como nutrientes para a agro-ecologia e materiais reciclados e reutilizados no processo produtivo da cidade, graças à recolha e selecção feita pelos cidadãos.

A energia solar permite múltiplas utilizações, tais como termo e fotovoltaicas.

A energia solar permite múltiplas utilizações, tais como termo e fotovoltaicas.

O exemplo dum forno solar térmico permite múltiplas utilizações. Em Marrocos, está a ser construído um forno solar que permitirá a produção de cerâmica e o funcionamento de uma padaria.

Exemplos de ecotransportes

Exemplos de ecotransportes

Exemplos de ecotransportes. Um barco solar fotovoltaico, no lago Constança (entre a Suíça e a Alemanha) e um carro de ar comprimido que é utilizado na cidade do México como táxi do Estado.

A arquitecta Anna Heringer Eike Roswag construiu uma escola primária no Bangladesh que ganhou o prémio Aga Khan de Arquitectura. Este edifício é totalmente construído com adobe e bambu e contou também com a ajuda das populações.

Ecoarquitectura de Simón Velez

Ecoarquitectura de Simón Velez

Ecoarquitectura de Simón Velez. Este arquitecto constrói essencialmente com bambu, através de um processo especial que permite a longa duração, resistência e a sua reciclagem.

East-Gate Building – Zimbabwe

East-Gate Building – Zimbabwe

Edifício bioclimático baseado nos estudos do bio-mimetismo, em que as termiteiras servem de modelo para manutenção da temperatura.

Edifício bioclimático, nos E.U.A

Edifício bioclimático, nos E.U.A

Edifício bioclimático, nos E.U.A., através da vegetação que funciona também como biodepuração das águas residuais.

Biodepuração no lago Vitória

Biodepuração no lago Vitória

Biodepuração no lago Vitória, com a utilização de jacintos de água, que servem para depurar o lago e ao mesmo tempo fornecerem biomassa para múltiplos usos (compostagem agroecológica, produção de celulose para papel e móveis). Os jacintos de água são recolhidos sistematicamente, através de barcos especiais, evitando a infestação.

Em Freiburg e em Perpignan, graças à profusão do uso da energia solar, pretende-se produzir mais energia do que aquela que as cidades consomem. Assim, o objectivo é criar uma cidade de energia positiva que, bastando-se a si própria, consegue vender energia para o exterior, capitalizando os investimentos realizados nos protótipos.

34Contactei com investigadores, docentes universitários e instituições no sentido de colaborarem com o Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto (CEAUP), através da realização de protocolos (com o CE.DO; ADRA).

35Organizei um dossier de documentação e recolha em vídeo de diversas visitas de estudo (deserto do Kuroka, Luanda, Namibe, Benguela, etc.).

36Esta missão teve como objectivo prioritário as conferências sobre a ecologia na luta contra a desertificação, a abordagem ecológica e o território, no deserto do Namibe e em Benguela, respectivamente, bem como a entrega de propostas de protocolo à ADRA (Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente) e ao CE.DO (Centro de Estudos do Deserto). Estes objectivos foram cumpridos.

37Também se estabeleceram contactos com diversas personalidades de reconhecido mérito científico e cívico (presidente, director e secretário da ADRA; presidente do CE.DO), no sentido de promover parcerias que podem assumir diversas modalidades, nomeadamente no apoio do CEAUP a investigadores e docentes em Angola, assim como a participação de investigadores e docentes de Angola nas actividades do CEAUP em Portugal.

38A missão permitiu, ainda, a recolha de informação que contribuirá para o aprofundamento e consolidação dos objectivos do projecto.

39No entanto, esta rede de relações é ainda muito insípida para se poder considerar um passo decisivo na construção dum projecto concreto.

Sábado, 13 de Março 2010

40Depois destas actividades de âmbito universitário como investigador do CEAUP, fui convidado pelo arquitecto Romeiras a dar as minhas sugestões acerca da intervenção arquitectónica para a Muxima, ou seja, a construção duma igreja prevista para aquele local.

41Por se tratar de um assunto de valor simbólico e espiritual para Angola e por sentir que mexer nesse território, tão especial e tão significante, merecia um retorno àquelas paragens que sempre guardei na minha memória, partimos naquele sábado de manhã.

42Percorri demoradamente as ruínas da Fortaleza de Muxima, do século XVI, e do cimo da colina olhei a paisagem deslumbrante do rio Kwanza, com a floresta verdejante a envolvê-lo. Depois desci até ao templo, percorrendo demoradamente a aldeia e as margens do rio. Apercebi-me que o “genius locci” daquele lugar precisava de ligar a memória do tempo e a força telúrica do espaço, numa sinergia que explicitasse o símbolo espiritual dum povo na história da humanidade.

43Caracterizar as linhas mestras para um planeamento daquele lugar é reforçar a sua força ecológica através da plantação de novas árvores no seio de Muxima. É trazer a água do rio, fazendo-a serpentear no interior da própria aldeia. O resto é apenas reorganizar a colina com os seus valores patrimoniais da história e os seus significados múltiplos num grande cenário que permita guardar a memória mas, ao mesmo tempo, abrir-se para a criação “novadora” do futuro.

44Por isso, por detrás da fortaleza, como uma aurora futurante, surgiria uma “dome” ou “zome” gigante que, envolvendo em espiral aberta as árvores sagradas de África, como as mulembeiras e os imbundeiros, simbolizam as raízes da terra e do céu num abraço simbólico que consagra a vida dos homens.

45Para religar passado, presente e futuro importa articular a força patrimonial dos monumentos com a força natural da paisagem onde o rio com meandrizações entrando pelo aldeamento de Muxima, criaria a possibilidade de jardins filtrantes tornando potável a água do Kwanza e regando hortas e pomares para usufruto dos habitantes e dos peregrinos. Imaginei mesmo, para além duma estação portuária um hangar moderno para um dirigível solar para transporte de passageiros, marcando assim, fortemente, um símbolo de ecodesenvolvimento em Angola.

Topo da página

Notas

1 Descrevi essa experiência no meu livro editado pela Profedições, intitulado Sociedade e Território. Desenvolvimento ecologicamente sustentado, Porto, 2006.

2 Trata-se da então designada “Universidade de Benguela”, instituição privada que funcionava ainda sem autorização governamental. Já com autorização, designa-se hoje Instituto Superior Politécnico de Benguela. [Nota do editor].

3 Africana Studia, Revista Internacional de Estudos Africanos, nº 10, Porto, 2007.

4 Esta comunicação veio a ser publicada na Revista Angolana de Sociologia, RAS, nº7, Luanda, Junho de 2011.

5 W. I. Vernadsky La biosphère, Ed. Librairie Félix Alcan, 1929.

6 Thomas Kuhn The Copern ican revolution: planetary astronomy in the development of Western thought, Harvard University Press, 1957.

7 Thomas Kuhn The structure of scientific revolutions, University of Chicago Press, 1964.

8 Ludwig Von Bertalanffy Teoria Geral dos Sistemas: Fundamentos, Desenvolvimento e Aplicações, Ed. Vozes, 1975.

9 Edgar Morin La Méthode, Ed. du Seuil, 1977.

10 Gregory Bateson Steps to an ecology of mind, University of Chicago Press, 2000.

11 Joel de Rosnay L’aventure du vivant, Éd. du Seuil, 1988.

12 Renné Dumont L’Afrique noire est mal partie, Ed. du Seuil, 1966.

13 Jacques Ellul La technique ou l’enjeu du siècle, Ed. Knopf, 1964.

14 Georgescu Roegen La décroissance: entropie, écologie, économie, Ed. Sang de la Terre, 1995.

15 René Passet L’illusion néo-libérale, Flammarion, 2001.

16 Serge Latouche L’autre Afrique: entre don et marche, Ed. A. Michel, 1998.

17 Pierre Rabhi L’offrande au crépuscule: témoignage, Ed. Editions de Candide, 1989.

18 Gro Harlem Brundtland Our Common Future, NY, United Nations, 1987.

19 Idem.

20 Abel Wolmann foi professor de Engenharia em várias universidades dos Estados Unidos da América e responsável pelo Departamento de Água.

21 William McDonought & Michael Braungart Cradle to cradle: remaking the way we make things, Ed. North Point Press, 2002. Jacinto Rodrigues

22 Janine M. Benyus Biomimicry: innovation inspired by nature, Ed. Morrow, 1997.

23 Jaime Lerner Acupunctura Urbana, Editora Record, 2003.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Edifício Bedzed, na periferia de Londres, do arquitecto Dumster.
Legenda Este edifício foi construído com materiais recicláveis e utiliza energias renováveis (solar e eólica). Tem tectos verdes, o que permite uma bioclimatização.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-1.png
Ficheiros image/png, 274k
Título A cidade de Kalundborg, na Dinamarca
Legenda A cidade de Kalundborg, na Dinamarca, é uma eco-cidade que utiliza as múltiplas sinergias das empresas e indústrias selectivamente escolhidas de modo a criarem uma inter-ajuda no processo produtivo: a água quente da refinaria vai permitir o aquecimento das habitações e ao mesmo tempo a criação de piscinas para produção de peixes. Os resíduos de algumas empresas servem de materiais de construção. Os detritos orgânicos dos animais servem de compostagem para a bio-regeneração da agro-ecologia utilizada em Kalundborg.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-2.png
Ficheiros image/png, 356k
Título Freiburg – Alemanha
Legenda Freiburg – Alemanha. Nesta cidade, as populações desempregadas que pertenciam a um centro de aeronáutica foram reorientadas na sua formação profissional, dedicando-se à produção de sistemas solares (termo e fotovoltaico). A cidade de Freiburg tornou-se assim exemplar pela sua auto-suficiência energética, fabricando também protótipos para a indústria.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-3.png
Ficheiros image/png, 544k
Título Curitiba – Brasil
Legenda Curitiba – Brasil. Uma campanha de eco-cidadania permitiu a organização das populações na recolha e separação dos “lixos”. Com efeito, os lixos tornaram-se riqueza, como nutrientes para a agro-ecologia e materiais reciclados e reutilizados no processo produtivo da cidade, graças à recolha e selecção feita pelos cidadãos.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-4.png
Ficheiros image/png, 534k
Título A energia solar permite múltiplas utilizações, tais como termo e fotovoltaicas.
Legenda O exemplo dum forno solar térmico permite múltiplas utilizações. Em Marrocos, está a ser construído um forno solar que permitirá a produção de cerâmica e o funcionamento de uma padaria.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-5.png
Ficheiros image/png, 278k
Título Exemplos de ecotransportes
Legenda Exemplos de ecotransportes. Um barco solar fotovoltaico, no lago Constança (entre a Suíça e a Alemanha) e um carro de ar comprimido que é utilizado na cidade do México como táxi do Estado.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-6.png
Ficheiros image/png, 389k
Legenda A arquitecta Anna Heringer Eike Roswag construiu uma escola primária no Bangladesh que ganhou o prémio Aga Khan de Arquitectura. Este edifício é totalmente construído com adobe e bambu e contou também com a ajuda das populações.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-7.png
Ficheiros image/png, 652k
Título Ecoarquitectura de Simón Velez
Legenda Ecoarquitectura de Simón Velez. Este arquitecto constrói essencialmente com bambu, através de um processo especial que permite a longa duração, resistência e a sua reciclagem.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-8.png
Ficheiros image/png, 828k
Título East-Gate Building – Zimbabwe
Legenda Edifício bioclimático baseado nos estudos do bio-mimetismo, em que as termiteiras servem de modelo para manutenção da temperatura.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-9.png
Ficheiros image/png, 787k
Título Edifício bioclimático, nos E.U.A
Legenda Edifício bioclimático, nos E.U.A., através da vegetação que funciona também como biodepuração das águas residuais.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-10.png
Ficheiros image/png, 741k
Título Biodepuração no lago Vitória
Legenda Biodepuração no lago Vitória, com a utilização de jacintos de água, que servem para depurar o lago e ao mesmo tempo fornecerem biomassa para múltiplos usos (compostagem agroecológica, produção de celulose para papel e móveis). Os jacintos de água são recolhidos sistematicamente, através de barcos especiais, evitando a infestação.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-11.png
Ficheiros image/png, 447k
Legenda Em Freiburg e em Perpignan, graças à profusão do uso da energia solar, pretende-se produzir mais energia do que aquela que as cidades consomem. Assim, o objectivo é criar uma cidade de energia positiva que, bastando-se a si própria, consegue vender energia para o exterior, capitalizando os investimentos realizados nos protótipos.
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/182/img-12.png
Ficheiros image/png, 1,0M
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Jacinto Rodrigues, « Diário de bordo », Revista Angolana de Sociologia, 10 | 2012, 165-179.

Referência eletrónica

Jacinto Rodrigues, « Diário de bordo », Revista Angolana de Sociologia [Online], 10 | 2012, posto online no dia 20 Novembro 2013, consultado no dia 24 Abril 2017. URL : http://ras.revues.org/182

Topo da página

Autor

Jacinto Rodrigues

Arquitecto, urbanista e ecologista, é ainda filósofo e historiador de arte. Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (Portugal) e investigador no Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto (CEAUP). Estudou na Université de Paris-Sorbonne, École Pratique des Hautes Études, Université de Paris VIII, Université de Rennes 2, Universidade do Porto e Universidade Nova de Lisboa. É autor de estudos antropológicos e culturais, bem como de exposições e documentários. Em Angola, os seus mais recentes estudos dizem respeito a questões ecológicas e ao Deserto do Namibe.
É autor, dentre outros, dos livros: Sociedade e Território. Desenvolvimento Ecologicamente Sustentado (2006), Conspiração Solar do Padre Himalaya (1999), Arte, Natureza e Cidade (1993), Ecodesenvolvimento, Arte, Urbanismo e Arquitectura (1993), Álvaro Siza, Obra e Método (1992), A Bauhaus e o Ensino Artístico (1989), Ecologia (1982), Utopia, Espaço & Sociedade (1979), Perspectivas sobre a Comuna e a 1ª Internacional em Portugal (1976), Urbanismo, uma prática social e política (1976), Urbanisme et Révolution (1973). jacintorodrigues@sapo.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© SASO

Topo da página
  • Logo Associação Angolana de Sociologia
  • Logo Edições Pedago
  • Revues.org