Navegação – Mapa do site
Nota do editor

Nota do editor

Paulo de Carvalho
p. 5-7

Texto integral

1Ao entrarmos para o sexto ano da Revista Angolana de Sociologia, decidimos abordar o tema “Sociologia e prática social”, trazendo três artigos sobre esta temática, de cinco autores. Publicamos neste numero outros cinco artigos, 1 entrevista e 4 recensões.

2O tema central deste número inicia com o antropólogo Jacinto Rodrigues, que aborda a prática social enquanto processo evolutivo das Ciências Sociais e Humanas, partindo da sua própria experiência enquanto investigador e cientista social preocupado com o mundo em que vivemos, com o comportamento das pessoas e com a distribuição da riqueza de forma justa e inclusiva. Chama à atenção para a necessidade de alteração do modelo de sociedade urbano-industrial consumista, de modo que se promovam e consolidem “novas actividades de prática social no terreno concreto, abrindo alternativas como a agroecologia, as energias renováveis, a reciclagem, a eco-construção, a bioeconomia, a solidariedade e finalmente uma ecosofia que expressa as reflexões teóricas importantes sobre a desagregação do ‘mundo antigo’ e o parto dum outro ‘novo mundo’ possível” [p. 88].

3Seguem-se Carlos Alberto da Silva, Joaquim Fialho e José Saragoça, que tratam a análise de redes sociais ao longo dos tempos. Começando pelas técnicas sociométricas de Moreno, passando pela influência das escolas de Harvard, de Chicago e de Manchester, e culminando nos mais recentes avanços metodológicos no quadro da teoria da acção, os autores concluem que “um dos desafios que se colocam à análise de redes sociais e aos seus usuários é, justamente, identificar o posicionamento e as estratégias de acção num quadro de complexidade de actuação em que cada investigador procurará uma utilização particular dentro da polissemia de análise” [p. 99].

4O pedagogo Pedro Manuel Patacho encerra o tema central deste número, com uma abordagem relativa à investigação em Ciências Sociais. O autor destaca o sector da educação, que é a sua área de eleição e de trabalho, referindo-se à experiência que acumulou ao longo dos últimos anos de trabalho em várias províncias angolanas. Patacho recomenda aos professores que centrem a sua atenção “na realidade educativa das escolas, nos seus actores e nas comunidades locais com que trabalham, para daí extraírem uma compressão sofisticada e densa dos contextos e fenómenos educativos, que devem ser entendidos como fenómenos sociais totais” e que “analisem com profundidade as experiências dos indivíduos e dos grupos sociais com que trabalham, compreendendo as suas vidas, o seu quotidiano, as suas expectativas, as suas histórias e as implicações destas para as suas práticas educativas” [p. 117].

5No que respeita a outros artigos, o número abre com a “globalização e insegurança urbana”, de Nelson Lourenço. O crescimento urbano traz consigo dissabores vários, sendo um deles a violência urbana. O crescimento exponencial das cidades é “particularmente acentuado nos países em desenvolvimento, onde se situa a maioria das megacidades e onde se encontram as percentagens mais elevadas de população vivendo em bairros de lata e se registam as mais elevadas taxas de crime e de violência urbana” [p. 15]. O autor acrescenta que o quadro de vulnerabilidade das mega e metacidades do Hemisfério Sul nos remete para “ritmos mais intensos de crescimento demográfico”, enquanto espaços normalmente “potenciadores de pobreza e de desigualdades sociais, a que se associa, quase sempre, risco acrescido de emergência de instabilidade social” [p. 16].

6Vem depois António Pedro Dores, com uma reflexão a respeito da análise jornalística, no quadro do papel social exercido pelos meios de comunicação social. A partir da análise jornalística, este autor mostra-nos de que forma “os limites cognitivos da análise cartesiana implicam o reforço de discriminações sociais e a ofensa dos direitos das pessoas e populações menos capazes de se defenderem” [p. 36]. Dores refere “ondas de pânico moral a respeito da pequena insegurança, tomando por bodes expiatórios minorias estigmatizadas, como os pobres e excluídos em geral, com especial incidência sobre os negros, os imigrantes, os ciganos, os bairros ditos problemáticos”; lamentavelmente, os jornalistas não ouvem “as partes interessadas, nomeadamente as vítimas da campanha, cuja defesa da imagem pública fica assim impossibilitada” [p. 40]. A acusação da prática de um crime ocasiona normalmente a exclusão do acusado, que é tratado “como uma célula sem função: como um micróbio que põe em causa a saúde da sociedade e, por via de dúvidas, deve ser exterminado, como os antibióticos fazem com as bactérias” [p. 48].

7Thiago Moraes e Geraldo Torrecillas trazem um artigo crítico relacionado com a teoria económica neoclássica. Consideram que as políticas económicas se baseiam normalmente na ciência económica neoclássica, reduzindo por isso os “fenómenos complexos a pressupostos estatísticos, entendendo que os interesses dos indivíduos estão pautados nos imperativos económicos, não importando quão injustos estes sejam e quão corrupta seja a actuação dos indivíduos interessados e dos legisladores” [p. 59]. Por isso, concluem que o direito e a economia devem “criar instrumentos úteis para que a administração pública consiga estabelecer mecanismos de contra balanceamento aos efeitos nocivos ao tecido social que a globalização promove, em nível mundializado” [p. 59].

8De Cabo Verde, vem depois uma reflexão a respeito da interligação entre o programa de alimentação escolar e a produção agrícola local. Rozane Marcia Triches, Sérgio Schneider e Elsa Simões dizem que as cantinas escolares são factor que contribui enormemente para a presença na escola e para o sucesso escolar. O Programa de Alimentação Escolar existe em Cabo Verde desde 1976, mas com o crescente desengajamento do Programa Alimentar Mundial a partir de 1996, o programa começou a enfrentar dificuldade de implementação. Os autores enfatizam a necessidade de descentralização das compras públicas, introduzindo no menu bens de produção local e melhorando as condições físicas das cozinhas e armazéns: “ao descentralizar os recursos para que as escolas adquirissem os géneros, haveria a aproximação entre a produção e o consumo de alimentos, tornando desnecessários tantos gastos e problemas de abastecimento” [p. 77]. O país sairia assim a lucrar triplamente, pois para além da melhoria da dieta alimentar dos alunos (que consumiriam maioritariamente produtos frescos, sem conservantes) e de uma maior aposta na produção local, contribuir-se-ia também para diminuição da pobreza (no seio das famílias dos produtores, transportadores e vendedores).

9Este número da Revista Angolana de Sociologia inclui uma entrevista do sociólogo Paulo de Carvalho, concedida ao jornalista Silva Candembo, por ocasião de mais um aniversário do acordo de paz rubricado em Abril de 2002, que ditou o final da guerra civil angolana.

10Quanto a livros, são propostas recensões de Víctor Barros, Vítor Queiroz, Gilson Lázaro e Fernanda Gallo.

11Boa leitura.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Paulo de Carvalho, « Nota do editor », Revista Angolana de Sociologia, 11 | 2013, 5-7.

Referência eletrónica

Paulo de Carvalho, « Nota do editor », Revista Angolana de Sociologia [Online], 11 | 2013, posto online no dia 08 Dezembro 2013, consultado no dia 20 Novembro 2017. URL : http://ras.revues.org/307

Topo da página

Autor

Paulo de Carvalho

Sociólogo. Doutor em Sociologia pelo ISCTE–Instituto Universitário de Lisboa (Lisboa, Portugal) e Mestre em Sociologia pela Universidade de Varsóvia (Polónia). Professor Titular na Universidade Agostinho Neto (UAN, em Luanda). Foi Reitor da Universidade Katyavala Bwila (Benguela, Angola – 2009-2011) e dirigiu a Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto (Luanda, Angola – 2005-2006). Foi Consultor do Ministro do Interior (de Angola – 2012). É coordenador do Mestrado em Sociologia e coordenador científico do Doutoramento em Ciências Sociais, da Faculdade de Ciências Sociais da UAN. É investigador no CIES do ISCTE–Instituto Universitário de Lisboa. É autor de dezenas de pesquisas sociológicas com utilização de técnicas qualitativas e quantitativas, tendo como principais áreas de investigação: a exclusão social, a pobreza, a Sociologia Política, o ensino superior, os problemas sociais, as normas de consumo, as relações étnicas, a delinquência e a audiência de media. É autor, dentre outros, dos livros: A campanha eleitoral de 2008 na imprensa de Luanda (Luanda 2010); Exclusão Social em Angola. O caso dos deficientes físicos de Luanda (Luanda 2008), «Até você já não és nada…!» (Luanda 2007), Angola. Quanto Tempo Falta para Amanhã? Reflexões sobre as crises política, económica e social (Oeiras 2002), Audiência de Media em Luanda (Luanda 2002), Estrangeiros na Polónia. Adaptação, estereótipos e imagens étnicas (Luanda 2002 e Varsóvia 1990) e Estrutura Social da Sociedade Colonial Angolana (Varsóvia 1989). Foi agraciado com o o Prémio Nacional de Cultura e Artes de Angola, na modalidade de investigação em ciências sociais e humanas (2002).É editor da Revista Angolana de Sociologia. paulodecarvalho@sociologist.com

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© SASO

Topo da página
  • Logo Associação Angolana de Sociologia
  • Logo Edições Pedago
  • Revues.org