Navegação – Mapa do site
Livros

Feitiçaria enquanto linguagem

Fernanda Gallo
p. 147-149
Referência(s):

Harry WEST, 2009: Kupilikula: O poder e o Invisível em Mueda, Moçambique, Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 436 p.

Texto integral

1Em Kupilikula: O poder e o Invisível em Mueda, Harry West, professor da School of Oriental and African Studies (SOAS), constrói uma atraente etnografia histórica da feitiçaria no norte de Moçambique. Autor de Ethnographic Sorcery (2007), West parece ter mudado completamente de área se dedicando, atualmente, ao estudo da comida, conforme demonstra seus recentes artigos. Kupilikula, publicado primeiramente em língua inglesa (2005), teve na versão portuguesa, seu título acrescido a especificação Mueda. Certamente a mudança se ajustou a um público mais familiarizado com o tema, o que evitou que a categoria “Moçambique” pudesse ser entendida como genérica.

2Interessado em discutir o lugar da uwavi (feitiçaria), enquanto uma linguagem de poder nos contextos da independência, socialismo e neoliberalismo, West oferece um panorama dos discursos da feitiçaria, no planalto de Mueda, e a medida como estes “invocam múltiplas lógicas interpretativas no meio de experiências históricas concretas” (p.44). Neste ínterim, o poder subsequente da uwavi é entendido como uma série de manobras exequíveis no mundo tangível e intangível, capaz de refazer e desfazer poderes de outrem. A este contra-feitiço ou contramanobra dá-se o nome de Kupilikula.

3O livro, dividido em três principais partes, compostas cada qual por pequenos capítulos, é fruto de um trabalho de campo realizado entre os anos de 1993-2004, que abrangeu cerca de cem aldeias do planalto de Mueda e, contou com a colaboração decisiva de Marcos Agostinho Mandumbwe, além dos assistentes Eusébio Tissa Kairo e Felista Elias Mkaima, com quem ele divide a autoria do livro. Esta iniciativa e, até mesmo o próprio uso de expressões locais como o próprio Kupilikula do título, parece (re) distribuir a autoridade e a autoria da pesquisa.

4Informado pelas discussões pós-coloniais, West enfoca a uwavi como uma estratégia discursiva criada pelos habitantes de Mueda para interpretar o mundo e suas mudanças. Todos os 29 capítulos se iniciam com uma descrição feita por seus informantes sobre casos de uwavi. A tática seduz e aproxima o leitor ao universo descrito, tornando ainda mais eloquente as falas locais. As estratégias e constrangimentos vivenciadas com seu colaborador e assistentes, também são partilhadas, o que nos dá uma sensível impressão de estarmos entre eles.

5A primeira parte do livro detalha o universo da uwavi composto por sua gramática e personagens centrais. Chama atenção o fato de que muitos destes personagens continuam em cena até hoje, portanto a relevância de sua etnografia histórica. Este é o caso dos vahumu conselheiros das likolas (matrilinhagens) e os vanang’olo vene kaja anciãos administradores da povoação. Ambos tinham/tem a função de unir esforços para não fragmentar a likola, porém, a linguagem do consumo, na altura pré-colonial expressa, sobretudo na caça e no desejo sobre a carne, e hoje, sobre objetos como bicicletas e máquinas de costura exigia/exige uma constante negociação.

6Ainda nesta parte, o autor mostra como a crença na força de certas substâncias mágicas (mitela) faz parte da rede discursiva que explica, entre outros, a vitória dos portugueses sobre a população local nas guerras de pacificação, (início do século XX). Através destas narrativas, somos capazes de vislumbrar a história moçambicana sob outro ponto de vista. Neste caso, os portugueses teriam ganhado a batalha, pois suas mitelas seriam mais fortes.

7West delineia o mundo social e o cotidiano das pessoas com quem conversa e os lugares os quais visita, pontuando a duplicidade que nega e reflete a relação com o invisível. Seus personagens têm nome e sobrenome, em alguns casos até imagens retratadas, não são pensados genericamente como “makonde”, expressão que evita.

8Situações como os mortos-vivos e trabalhadores escravizados por feiticeiros, ou feiticeiros se transformando em animais como corujas, cobras e leões são trazidos pela memória de seus informantes e adequadamente comparados a casos semelhantes em outros contextos africanos, o que dá consistência a obra. Feitiçaria e curandeirismo são apresentados como algo dinâmico, que se transforma no curso da história, tema da parte central da obra.

9Na segunda parte do livro, o autor descreve como as categorias utilizadas para se falar de feitiçaria foram se dinamizando na relação com os novos poderes coloniais e pós-coloniais, com as novas linguagens de poder. Entre estes, analisa as missões católicas, a administração e exército portugueses e a FRELIMO (Frente Libertadora de Moçambique) focando sempre na leitura local, através da uwavi, sobre tais instâncias.

10Particularmente interessante é a descrição sobre as estratégias encontradas pelas missões, sobretudo de padres holandeses, para atrair a população. Percebendo a importância de certos elementos locais, como a dança mapiko, a igreja os permitiu em seu espaço sagrado. Do outro lado, também os missionários e suas poderosas mitelas, foram percebidos como capazes de intervir no reino do invisível. Assim a população local teria, segundo o autor, não apenas se convertido ao cristianismo, mas convertido o cristianismo a si.

11Também o movimento nacionalista moçambicano foi interpretado através do discurso da feitiçaria. Em especial Os jogos mortíferos de esconde-esconde, título do capítulo 15, disserta sobre o clima de suspeição entre possíveis infiltrados da FRELIMO no governo português e vice-versa. O suposto poder dos chefes do exército português, e da FRELIMO, em identificar espiões, prever ataques e tornar invisíveis seus combatentes no reino da floresta faziam parte do reino uwavi.

12A própria FRELIMO, a qual West não poupa críticas, teve uma relação ambígua com a feitiçaria. Se por um lado seus líderes discursavam sobre o socialismo racional e científico do homem novo moçambicano, por outro buscavam curandeiros para demonstrar a todos que estavam bem protegidos. O discurso da uwavi era ao mesmo tempo condenado e partilhado.

13A terceira e última parte do livro, West discute o neoliberalismo analisando a linguagem uwavi. Através dela somos convidados a entender em que medida os habitantes de Mueda perceberam com desconfiança os projetos de liberdade e prosperidade individuais. Junto com a linguagem dos workshops, das ONGS e dos projetos de desenvolvimento, vieram os moinhos de grãos, bicicletas, automóveis e com eles prosperou a feitiçaria de autodefesa e enriquecimento pessoal. Na transição do pós-guerra civil (1992) para a economia de mercado, o autor é preciso ao identificar, o que ironicamente chamou dos paladinos da “tradição moçambicana”, defensores dos “curandeiros tradicionais” e dos “conhecimentos indígenas” como parte discursiva de um novo Moçambique democrático.

14Se aproximando de uma ciência política, West aponta que o interesse no ressurgimento da tradição foi uma exigência dos doadores internacionais como medida para descentralizar o poder. Questionando a restauração de um “saber tradicional” lembra que a autoridade tradicional ocupou um papel historicamente determinado. Nos anos 1990, preveniu West, na província de Inhambane, no afã da restauração, o ex-régulo do distrito de Homoíne começou a aplicar castigos corporais e reivindicar o direito de degredar pessoas para São Tomé.

15Harry West refletiu sobre a feitiçaria enquanto um paradigma explicativo, uma linguagem social. Afirmando que a nova ciência trazida pelo desenvolvimento dos estrangeiros desfez – kupilikula a anterior visão socialista, West aposta que o acesso ao poder no planalto de Mueda não se restringe ao mundo visível. Finalmente, o livro complexifica as relações sociais e de poder em Moçambique e, ao que concerne a população de Mueda, é a linguagem da uwavi que melhor define, ou que melhor traduz a densidade e ambiguidade de suas próprias vidas. É através desta que tentam compreender e digerir o mundo e mesmo agir sobre ele através do kupilikula.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Fernanda Gallo, « Feitiçaria enquanto linguagem », Revista Angolana de Sociologia, 11 | 2013, 147-149.

Referência eletrónica

Fernanda Gallo, « Feitiçaria enquanto linguagem », Revista Angolana de Sociologia [Online], 11 | 2013, posto online no dia 09 Dezembro 2013, consultado no dia 21 Novembro 2017. URL : http://ras.revues.org/395

Topo da página

Autor

Fernanda Gallo

Historiadora, mestre em estudos Étnicos e Africanos pela Universidade Federal da Bahia. Tem investigado acerca da África contemporânea. fedoca_gallo@hotmail.com

Topo da página

Direitos de autor

© SASO

Topo da página
  • Logo Associação Angolana de Sociologia
  • Logo Edições Pedago
  • Revues.org