Navegação – Mapa do site

Nota do editor

Paulo de Carvalho
p. 5-7

Texto integral

1Entrámos para o ano de 2014 com a intenção de maior disseminação da revista, graças à sua inclusão na LusOpen Edition.

2Fomos forçados a modificar a temática deste nº 13 da Revista Angolana de Sociologia, tornando--o mais abrangente. O tema central ficou “O Homem em sociedade”, com seis artigos. O número inclui ainda dois outros artigos, não tendo sido apresentado e aceite material para qualquer outra secção.

3O tema central deste número inicia com o artigo de Allan Nascimento, intitulado “Obstáculos aos direitos humanos das mulheres deslocadas internamente: o caso angolano”, onde o autor apresenta uma visão a respeito do respeito pelos direitos humanos em períodos de conflito armado e as consequências disso após o seu termo. Aborda o caso particular das mulheres uma vez que, em relação a elas, “continua a verificar-se no geral uma distância significativa entre a igualdade plasmada na norma e o efectivo acesso diferencial aos direitos” [p. 50]. A violência de género manifesta-se sob diversas formas enquanto elemento de discriminação que atinge sobretudo as mulheres. Ela cresce em ambiente de conflito armado, o que se reflecte durante muito tempo após o termo do conflito. Há casos dramáticos de violência sexual, tortura e escravidão de mulheres, tendo o autor citado os casos do Ruanda, Serra Leoa, Libéria, Balcãs e Bósnia-Herzegovina [pp. 54-55]. A deslocação interna é outro dos grandes problemas que afectam mulheres, crianças e velhos que vivem em áreas de conflito armado. E Angola não é excepção a estas regras.

4Do caso angolano passamos para o caso moçambicano, com Patrício Langa a apresentar-nos uma reflexão acerca d’ “O homem na sociedade ou a sociedade no homem: Desafios epistémico e metodológico para uma análise sociológica do carisma de Samora Machel”. O comportamento e a forma como governava o primeiro Presidente de Moçambique (conhecido pela sua forte personalidade, pela sua verticalidade e por uma elevada dose de frontalidade) são objecto de análise por parte de vários autores. Neste artigo, Langa pretende ultrapassar as visões dos seus colegas mais velhos Carlos Serra e Elísio Macamo, apresentando uma visão agregadora que considera multimensional: “Ao invés de observarmos um homem unidimensional ou um contexto político sui-generis, alvitro que se olhe para o fenómeno social multidimensional que foi Samora Machel” [p. 77]. Considera que não se deve dar primazia à estrutura sobre a acção, nem o recíproco. O homem é fruto da sua época, sim, mas ele mesmo encerra em si uma personalidade, uma história de vida e um carisma próprios, certamente de algum modo diferentes dos de outros da mesma época.

5O terceiro artigo da temática central deste número é de autoria de Francisco Ramos e Rosalina Costa e intitula-se “Os funerais são para os vivos. Apontamentos sobre o lugar do investigador--autor na construção da morte em perspectiva socio-antropológica”. A partir da notícia da morte do Presidente sul-africano, Nelson Mandela, os autores discorrem a respeito dos rituais e demais práticas associados ao falecimento de seres humanos. Consideram que, “na sociedade contemporânea, a morte parece estar definitivamente cada vez mais longe da vida dos indivíduos, como também os cemitérios se afastam cada vez mais dos centros das cidades, atenuando a sua presença e dissipando-se na morfologia da urbe”; mas, apesar disso, “os assuntos que envolvem a morte ... continuam a fazer parte da vida dos indivíduos” [p. 83]. A agenda mediática inclui invariavelmente a morte nos principais serviços noticiosos e nos principais jornais, partindo do princípio de que o fantástico vende, pois prende a atenção dos consumidores dos media. Como esta reflexão antropossociológica, os autores demonstram que “apesar de o cemitério não estar mais no centro da vila”, a verdade é que “a morte continua no centro da vida social” [p. 87].

6Segue-se o artigo de Donizete Rodrigues e Marco Silva, intitulado “Imigração e pentecostalismo brasileiro na Europa: o caso da Igreja Universal do Reino de Deus”. Os autores apresnetam elementos acerca da história do pentecostalismo e da história da Igreja Universal do Reino de Deus, com destaque para a sua implantação na Europa. Tal como afirmam os autores, “o modelo de expansão segue normalmente as diásporas emigratórias, partindo das regiões (semi)periféricas (América Latina, África e Ásia) para áreas centrais, nomeadamente EUA/Canadá, Europa e Japão” [p. 99]. Este fenómeno migratório transcontinental caracteriza-se por uma “«divine migration» pentecostal de «Sul» para «Norte»” e provoca portanto “mudanças significativas no panorama religioso mundial”, criando “novas «spiritual geographies»” [p. 99]. O Brasil é um dos países de topo no que respeita à “exportação de missionários” [p. 99], sendo a Igreja Universal do Reino de Deus o “movimento religioso com maior expressão e visibilidade” [p. 99] no quadro do pentecostalismo. A IURD instalou-se em Portugal em 1989, na Alemanha em 1991, em Espanha em 1992, em Itália em 1993 e na Irlanda em 2003. Já em Angola, instalou-se em 1991.

7O penúltimo artigo é de autoria de Glécia Oliveira e intitula-se “Música e resistência: uma breve análise histórica e discursiva do preconceito racial e social nas músicas da banda Reflexu’s”. A música axé “nasceu da mistura de estilos musicais, como o frevo, o ijexá, o samba, o reggae, a salsa, o rock, e a lambada, utilizando percussão e guitarra” [p. 112]. As letras das músicas da banda Reflexu’s fazem alusão às as relações raciais no Brasil e em África e “descrevem cenários históricos que caracterizam o racismo na África e no Brasil”, com o objectivo de denunciar “diversas formas de preconceito” [p. 116]. Analisando o discurso utilizado nas músicas dessa banda baiana, a autora constata haver um claro perfil de contestação e combate a práticas discriminatórias – contestação no que respeita às reduzidas “oportunidades ... políticas, sociais, culturais ou económicas” [p. 125] e denúncia e combate à discriminação e ao “preconceito racial” [p. 121].

8A terminar, temos Olena Kovtun com “(Não) resistir à transformação: o trabalho e a vida dos camponeses ucranianos. Estudo do holodomor de 1932-1933”. A autora (uma investigadora ucraniana que trabalha em Cabo Verde) aborda a colectivização agrícola e o modo de vida dos camponeses na Ucrânia de há oitenta anos, fazendo referência ao período de fome aí vivido nos anos 1932-1933. Ao campesinato ucraniano, que representava então a maioria da população, opunham-se os latifundiários (maioritariamente russos e polacos [p. 133]). A fome de 1932-1933 na Ucrânia é uma das três “fomes assassinas” do século XX provocadas pelo ser humano [p. 136], que contrastam com algumas outras fomes provocadas por catástrofes naturais ou pela ausência ou deficiência de políticas públicas. No espaço de apenas um ano, “morreram de fome e de doenças com ela relacionadas entre 7 e 11 milhões da população rural de ucranianos” [p. 138].

9Quanto aos dois artigos fora de tema, o primeiro deles é de António Pedro Dores e intitula-se “A puberdade da sociologia. Comentários a Nicos Mouzelis”. Mouzelis “parte do princípio estar-se a viver uma crise no percurso da teoria social que a trouxe a um beco sem saída” [p. 12], de modo que apresenta uma série de sugestões para análise da realidade social e para elaboração da “teoria social”, a partir de outros autores.

10Já a proposta de Tânia Mendes e João Areosa tem por título “Acidentes de trabalho ocorridos em profissionais de saúde numa instituição hospitalar de Lisboa” e refere-se ao período de 2006 a 2010. Os autores ilustram a necessidade do estudo dos acidentes de trabalho, com o objectivo de os prevenir; isso é mais evidente em unidades hospitalares, onde os trabalhadores estão sujeitos a inúmeros riscos [pp. 26, 27, 28-32]. Numa unidade hospitalar lisboeta, os grupos mais expostos a acidentes são os enfermeiros, as mulheres e os funcionários do turno da manhã. Os acidentes mais frequentes são os traumatismos (fracturas, entorses, contusões e distensões musculares) e as picadas de agulha. Os serviços de internamento são o local com maior incidência de acidentes de trabalho.

11Tal como foi referido acima, não foi aprovado nenhum dos textos apresentados para as demais rubricas deste número, de modo que ficamos apenas pelos artigos.

12Boa leitura.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Paulo de Carvalho, « Nota do editor », Revista Angolana de Sociologia, 13 | 2014, 5-7.

Referência eletrónica

Paulo de Carvalho, « Nota do editor », Revista Angolana de Sociologia [Online], 13 | 2014, posto online no dia 04 Junho 2016, consultado no dia 22 Setembro 2017. URL : http://ras.revues.org/956

Topo da página

Autor

Paulo de Carvalho

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© SASO

Topo da página
  • Logo Associação Angolana de Sociologia
  • Logo Edições Pedago
  • Revues.org