Navegação – Mapa do site
Artigos

Acidentes de trabalho ocorridos em profissionais de saúde numa instituição hospitalar de Lisboa1

Accidents at work occurred in health care workers in a Lisbon hospital
Tânia Mendes e João Areosa
p. 25-47

Resumos

A análise dos acidentes de trabalho permite criar estratégias de prevenção para este tipo de eventos, dado que possibilita a melhoria das condições de trabalho dos profissionais e, por consequência, a melhoria na prestação de cuidados aos doentes. O presente estudo, realizado numa instituição hospitalar de lisboa, teve como objectivo fazer a caracterização e análise dos acidentes de trabalho ocorridos com profissionais de saúde. É uma investigação exploratório-descritiva, retrospectiva, de abordagem quantitativa.

A recolha de dados foi feita a partir da informação presente nos questionários epidemiológicos de caracterização dos acidentes de trabalho aplicados no Serviço de Saúde Ocupacional do hospital pesquisado, no período de 2006 a 2010. Estes dados foram editados em programa estatístico SPSS e usou-se a estatística descritiva na sua análise.

Verificou-se que os enfermeiros são a classe profissional que regista maior número de acidentes, sendo os profissionais que desempenham funções há mais de 10 anos o grupo com maior incidência de acidentes. Os acidentes de trabalho com profissionais de saúde ocorrem mais frequentemente nos serviços de internamento, durante o turno na manhã, nomeadamente no período entre as 8 horas e as 12 horas. Os traumatismos são o tipo de acidente mais frequente, seguido das picadas de agulha. Dentro dos traumatismos, as lombalgias são o tipo de lesão mais recorrente, principalmente entre assistentes operacionais e enfermeiros.

Topo da página

Notas da redacção

Recebido a: 20/Fevereiro/2014

Enviado para avaliação: 3/Julho/2014

Recepção da apreciação: 14/Set. e 20/Outubro/2014

Recepção de elementos adicionais: 3/Dezembro/2014

Aceite para publicação: 15/Dezembro/2014

Texto integral

Introdução

  • 1 Os autores agradecem ao Prof. Luís Sá (UCP), pela colaboração no tratamento de dados em SPSS.

1Ao longo dos últimos anos têm-se observado inúmeras alterações ao nível das organizações e dos processos de trabalho. Existe maior exigência no que respeita à produtividade, flexibilidade e redução de custos e, simultaneamente, uma maior exigência por parte dos consumidores. Este processo nem sempre é acompanhado pela melhoria das condições de trabalho dos profissionais que, frequentemente, são sujeitos a vários tipos de riscos no meio laboral. De certo modo, podemos afirmar que os riscos ocupacionais são entidades omnipresentes no mundo do trabalho [Areosa 2010].

2Obviamente que o sector da saúde partilha esta mesma situação. Neste contexto, verifica-se um aumento da exigência e expectativas por parte dos utentes, maior exigência no que respeita à formação e conhecimentos por parte dos profissionais e, em questões de ordem económica, com o agravamento da sustentabilidade dos sistemas de saúde, existe uma maior lógica de racionalização de recursos [Carapinheiro 1993]. Os profissionais de saúde trabalham, frequentemente, com horários prolongados e em condições precárias, com dotações mínimas por serviço. Estas condições são geradoras de stress conduzindo, muitas vezes, a um deficiente desempenho profissional, aumentando as probabilidades de erro e a ocorrência de acidentes.

3Em Portugal, de acordo com dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), os hospitais são as instituições onde ocorrem maior número de acidentes de trabalho. Ainda segundo o relatório da ACSS [2007], o número de acidentes de trabalho ocorridos nas instituições de saúde tem vindo a aumentar, sendo o hospital a instituição que apresentou a taxa média de crescimento anual mais elevada. Os profissionais de saúde, pela especificidade das suas funções, estão sujeitos a inúmeros riscos nos seus locais de trabalho. O trabalho em ambiente hospitalar é susceptível de causar danos para a saúde tanto pela ocorrência de acidentes e doenças profissionais de matriz etiológica multifactorial, como pela exposição frequente a situações de stress e de fadiga física e mental [Uva et al. 1992].

4Para além do impacto causado pelos acidentes de trabalho e doenças profissionais ao nível da saúde dos indivíduos e suas famílias, o impacto causado em termos económicos numa organização e, eventualmente, na economia do país deverá ser considerado. Assim, as consequências dos acidentes de trabalho reflectem-se nos custos para as famílias e para as empresas, nomeadamente, em dias de absentismo, pagamento de indemnizações, pensões de invalidez, entre outros. Um maior investimento na prevenção de acidentes de trabalho e doenças profissionais permite a redução dos custos económicos a médio e longo prazo, contribuindo também para a melhoria do desempenho de uma organização, tanto ao nível da produção, como da qualidade do trabalho desenvolvido.

Riscos ocupacionais: a inevitável origem dos acidentes de trabalho

5Diariamente, os trabalhadores hospitalares são expostos a um variado leque de perigos no seu local de trabalho, consoante as funções que desempenham e o ambiente em que estão inseridos. Estes perigos laborais dão origem aos vários tipos de riscos (sejam biológicos, físicos, químicos, ergonómicos ou psicossociais) que contribuem para a ocorrência dos acidentes de trabalho [Areosa 2009; 2012a]. O conceito de risco encontra-se associado à probabilidade de ocorrência de certos eventos que se encontram directamente relacionados com a magnitude das suas consequências [Soares 2005]. Apesar de Granjo [2006] partilhar esta opinião, ao afirmar que o conceito de risco é inseparável do cálculo de probabilidades, refere também que a noção probabilística de risco pode criar novos perigos, devido à falsa sensação de controlo sobre o aleatório. Trata-se de um conceito quase sempre ligado a cenários de incerteza, onde os resultados não estão garantidos à partida [Giddens 2000].

6Tendo em conta que cada indivíduo se encontra sujeito a uma enorme quantidade de riscos no seu quotidiano, a sua análise permite que exista um certo controlo desses mesmos riscos. Esta análise só é possível após se ganhar consciência do próprio risco. Por outras palavras, são as percepções de riscos que permitem a sua análise [Areosa 2012b; 2014]. A análise dos riscos permite identificar os vários cenários possíveis para a ocorrência de uma determinada situação, tanto no que respeita a aspectos negativos, como positivos. Carapinheiro e Hespanha [2002] defendem que o risco comporta, de modo geral, um lado positivo – a probabilidade de alcançar as vantagens esperadas – e um lado negativo – a probabilidade de ter que suportar as desvantagens esperadas. Ainda assim, qualquer análise dos riscos é sempre limitada, tendo em conta que não é possível conhecer e controlar todos os riscos aos quais que nos encontramos sujeitos [Douglas & Wildavsky 1982].

7Já referimos anteriormente que os locais de trabalho surgem como geradores de inúmeros factores de risco para a saúde dos indivíduos. Alguns deles são, metaforicamente, autenticas fábricas de riscos [Areosa 2011]. A análise dos riscos ocupacionais é uma das formas mais eficazes para “compreender e combater a sinistralidade laboral e doenças profissionais” [Areosa 2005] contribuindo, também, para o controlo dos elevados custos sociais e económicos que advêm destas situações. Para além dos riscos ocupacionais existentes no local de trabalho, também a forma como cada indivíduo apreende os riscos a que se encontra sujeito irá determinar a ocorrência de acidentes de trabalho e doenças profissionais, pois esta percepção irá influenciar as suas atitudes e comportamentos no meio laboral. Por outro lado, as percepções de riscos estão directamente relacionadas com a forma como cada indivíduo representa, classifica e analisa os diversos tipos de ameaça a que se encontra sujeito ou sobre as quais tem conhecimento. Esta perspectiva é partilhada por Duarte e Cunha [2012] quando afirmam que “a identificação e avaliação dos riscos é mediada por determinantes sociais/culturais e individuais”. É o conhecimento sobre a realidade envolvente, bem como os princípios culturais, sociais, políticos e ideológicos de cada indivíduo que vão construindo as suas percepções sobre os riscos a que estão sujeitos. O tipo de formação e o contexto onde é exercida a sua actividade profissional são, também, factores que determinam a forma como os riscos são compreendidos e interpretados [Areosa 2010].

8Do mesmo modo, o stress vivido no local de trabalho e a pressão do grupo influenciam as percepções de riscos; e isto permite que todos os indivíduos sofram influências por parte dos seus colegas, por exemplo, no sentido de assumir riscos que, eventualmente, de outra forma não aceitariam. Também o facto de se sentirem seguros perante uma exposição prolongada a determinado tipo de risco ocupacional, sem efeitos adversos, contribui para que os indivíduos não valorizem esse factor como um risco para a sua saúde. Este fenómeno é designado na literatura como a “normalização do risco”. A análise das percepções de riscos dos trabalhadores permite compreender qual é o grau de conhecimento que estes têm sobre os riscos aos quais estão expostos no seu local de trabalho. Assim, torna-se possível tentar antecipar as atitudes e os comportamentos dos trabalhadores face a determinadas situações.

9Apesar da importância de conhecer a perspectiva dos indivíduos relativamente aos riscos a que estão sujeitos, este tipo de abordagem nem sempre é tido em consideração por parte da gestão de topo das organizações [Duarte & Cunha 2012]. Por vezes, existem falhas na avaliação de ambientes de trabalho por parte de especialistas e a análise das percepções por parte dos trabalhadores pode contribuir para uma melhoria da gestão dos riscos, sabendo que são eles quem desenvolve diariamente a sua actividade no ambiente de trabalho. Segundo Areosa [2011] a segurança das organizações e dos trabalhadores depende do tipo de riscos que surgem dos sistemas assim como da forma como são detectados e controlados. Quando a gestão promove a segurança no trabalho é provável que os trabalhadores se sintam mais informados e atentos aos riscos do seu local de trabalho.

10É hoje facto aceite que os acidentes de trabalho têm múltiplas causas [Jacinto 2005] e para os prevenir é necessário, não só encontrar as causas imediatas e óbvias, mas torna-se também imprescindível investigar os factores subjectivos do próprio sistema e da organização de trabalho [Areosa & Dwyer 2010]. Neto [2012] defende que as organizações têm de ser capazes de criar uma rede de conhecimento relativo à sinistralidade laboral, sendo os acidentes de trabalho uma fonte de conhecimento organizacional. Afirma também que os acidentes de trabalho e as doenças profissionais devem ser analisados e discutidos exaustivamente, de forma a evitar reincidências. Assim, o estudo dos acidentes de trabalho irá fornecer informação acerca das circunstâncias em que estes ocorreram, sobre as causas que os motivaram, assim como sobre as suas consequências permitindo, desta forma, que cada organização/empresa desenvolva estratégias para a sua prevenção. A análise dos acidentes fornece uma base realista, factual e sustentada para justificar investimentos na prevenção. Contudo, em determinados contextos (nomeadamente no caso angolano), a subnotificação dos acidentes de trabalho é ainda uma realidade que merece uma reflexão profunda por parte de todos os agentes sociais [Sózinho et al. 2011].

Riscos em ambiente hospitalar

11Os hospitais podem ser definidos como edifícios muito complexos tanto ao nível de estrutura física como na sua funcionalidade, onde se prestam cuidados de saúde diferenciados, cada vez mais sofisticados tecnologicamente [Campos 2009]. Estas organizações são estruturadas quase exclusivamente em função das necessidades dos utentes e são dotados de sistemas técnicos muito próprios, onde se articulam várias áreas de conhecimentos, desde profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, farmacêuticos, técnicos de diagnóstico e terapêutica), pessoal administrativo, gestores, informáticos, entre outros. Na verdade, podem ser considerados como organizações de alto risco [Areosa 2012c] e como “instituições totais” [Goffman 1996]. Enquanto espaços de trabalho, proporcionam condições de trabalho precárias, reconhecidamente piores do que as que podem ser observadas em outros sectores de actividade [Uva et al. 1992].

12Em ambiente hospitalar são identificados riscos de natureza biológica, pelo contacto com doentes, utilização de instrumentos cortantes ou perfurantes eventualmente contaminados e contacto com fluidos orgânicos; riscos de natureza física, como radiações ionizantes e não ionizantes (ex: raios laser, campos electromagnéticos, radiações ultravioleta), ruído, condições de iluminação desajustadas; riscos de natureza química, pelo manuseamento de produtos químicos perigosos (ex: manuseamento de citostáticos); riscos ergonómicos, pela mobilização de doentes e longos períodos em posição ortostática; riscos inerentes à organização do trabalho [Areosa 2013], ou seja, o funcionamento dos hospitais durante 24 horas por dia submete os profissionais a um horário rotativo, por turnos que variam entre as 35 e as 42 horas semanais, podendo haver a necessidade de se realizarem turnos de 8, 16 ou mesmo 24 horas consecutivas [Arrabaço 2008]; riscos psicossociais, devido à ocorrência de conflitos dentro da equipa, agressões por parte dos utentes ou familiares, o contacto com doenças graves e morte, a execução de tarefas com elevado grau de exigência, atenção e disponibilidade permanentes [Wilburn et al. 2004].

  • 2 OIT - Organização Internacional do Trabalho [2008], Directrizes Conjuntas OIT/OMS sobre os serviços (...)
  • 3 Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho [2007], Introdução às lesões músculo-esquelét (...)

13Em Portugal, ainda existem poucos dados relativos a acidentes de trabalho em profissionais de saúde. Também a nível internacional, de acordo com a OMS, a magnitude dos riscos profissionais no sector da saúde ainda não é bem clara [OIT 2008].2 Ainda assim, segundo dados da Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho3 estima-se que, por ano, no espaço europeu, ocorram 1 milhão de acidentes com picadas de agulha com profissionais de saúde, sendo este um dos acidentes de trabalho com maior incidência no meio hospitalar.

14A epidemia da infecção pelo vírus da imuno-deficiência humana (VIH) na década de 1980 fomentou o interesse pelos riscos biológicos a que os profissionais de saúde estavam sujeitos na prestação directa de cuidados [OIT, 2008, Sarquis et al. 2002], nomeadamente, os enfermeiros, pela especificidade das suas funções. Também as infecções pelo vírus da hepatite B (VHB), pelo vírus da hepatite C (VHC) são consideradas de maior gravidade no ambiente hospitalar. Neste sentido, existe uma preocupação acerca da sensibilização dos profissionais de saúde para o correcto uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI), de forma a minimizar/ eliminar determinados riscos biológicos ou químicos aquando da prestação de cuidados directos aos doentes. Surge, também, a importância da implementação de boas práticas nos serviços, nomeadamente no que respeita a actividades que envolvem maior risco para os profissionais, principalmente, para enfermeiros, médicos e técnicos de diagnóstico e terapêutica, tais como o reencapsulamento de agulhas, transferência de fluidos orgânicos entre diferentes recipientes e o facto de não se eliminar correctamente as agulhas e objectos cortantes em recipientes próprios (contentores de cortantes) [Arrabaço 2008].

15A exposição prolongada a situações de risco laboral pode originar uma normalização das ameaças por parte do sujeito exposto e, consequentemente, diminuir o seu empenho em comportamentos ou práticas de vigilância, de protecção e de segurança laboral [Areosa 2011]. Estes aspectos estão directamente relacionados com a forma como nós, enquanto espécie, estamos “programados” para pensar. Há sempre limites intrínsecos que não podemos ultrapassar. As heurísticas abordadas pelos psicólogos cognitivos são um bom exemplo desta nossa condição [Kahneman 2012].

16De referir que ainda existe uma subnotificação dos acidentes de trabalho por parte dos profissionais de saúde [OIT 2008, Gir et al. 1998, Sarquis et al. 2002], principalmente, no que respeita a acidentes com material perfuro-cortante. Existe uma subestimação do risco e das consequências deste tipo de acidentes, o que leva a crer que haja uma lacuna ao nível da formação contínua, bem como ao nível da sensibilização e consciencialização dos profissionais para os riscos a que estão sujeitos no seu local de trabalho.

17Também as lesões musculo-esqueléticas têm cada vez maior incidência nas unidades de saúde. Segundo a Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho [2007], cerca de 24% dos trabalhadores da União Europeia (UE) dizem sofrer de lombalgias. Estas lesões afectam, principalmente, a região cervical, a região dorso-lombar, os ombros e os membros superiores. A postura da coluna vertebral em que é realizada a movimentação da carga, o peso, a distância e a duração desse movimento, bem como os espaços físicos reduzidos onde ocorrem as manobras de levantamento, transferência e mobilização de doentes são responsáveis pelo cada vez maior número deste tipo de lesões entre os profissionais de saúde, nomeadamente enfermeiros e assistentes operacionais. Aliado a tudo isto, encontram-se as exigências organizacionais, como sejam, o número de doentes atribuídos a cada profissional e a existência (ou não) de equipamentos de apoio à mobilização de doente.

18O contacto com produtos contaminados ou com produtos químicos, a exposição a radiações ionizantes, a ruído, o desconforto térmico, a iluminação inadequada e as quedas devido a pavimentos lisos ou molhados são aspectos que deverão ser tidos em conta na avaliação dos riscos a que os profissionais estão expostos no meio hospitalar. Nestes espaços, só recentemente se passou a dar alguma importância à necessidade de adequação das componentes estruturais, no que diz respeito à selecção da tecnologia e adequação das condições ambientais com o objectivo de melhorar as condições de trabalho [Serranheira et al. 2009]. Embora esta ainda não seja uma realidade na grande maioria das instituições hospitalares portuguesas.

19No que respeita às agressões físicas e verbais sofridas pelos profissionais de saúde por parte de doentes ou familiares de doentes, a Direcção Geral de Saúde (DGS) criou o Observatório Nacional da violência Contra Profissionais de Saúde no Local de Trabalho que disponibiliza um sistema de registo on-line dos episódios de violência contra profissionais de saúde no local de trabalho a nível nacional, disponibiliza documentos de referência e instrumentos úteis na abordagem da violência contra profissionais de saúde, como sejam, questionários, normas internas, entre outros, e permite a partilha de experiências organizativas na abordagem da violência contra os profissionais de saúde. Assim, no âmbito dos riscos a que os profissionais de saúde estão sujeitos no seu local de trabalho, torna-se imperativa a necessidade de identificar cada problema, de conhecer profundamente a sua tipologia e de analisar a sua frequência e causas, no sentido de diagnosticar, antecipar e prevenir a ocorrência de efeitos adversos.

20Os acidentes de trabalho ocorrem devido a uma multiplicidade de factores, entre os quais, aspectos técnicos, tecnológicos, organizacionais e sociais. Os conflitos, a sobrecarga de trabalho, o cansaço ou a doença e as múltiplas pressões organizacionais são factores que podem conduzir à ocorrência de acidentes [Areosa 2011]. Ainda assim, a atribuição de responsabilidade dos acidentes de trabalho recai, erradamente, na maioria das vezes, no trabalhador, o que não permite que se investiguem as verdadeiras causas dos acidentes. Identificar e analisar os erros é uma oportunidade para determinar as causas, nas diferentes dimensões que os originaram e suscitar mudanças organizacionais. Esta análise permite desenvolver uma cultura de aprendizagem organizacional, através de uma prática sistemática, individual e colectiva de identificar as causas dos disfuncionamentos aumentando, assim, a capacidade de previsão e resposta a acontecimentos adversos [Fragata et al. 2008].

  • 4 O trabalho vivo é aquilo que os trabalhadores acrescentam à organização do trabalho formal, ao trab (...)

21Também Sousa Uva defende uma abordagem sistémica das condições de trabalho como forma de prevenir o erro [Serranheira et al. 2009]. No que respeita ao ambiente hospitalar, a elevada carga de trabalho dos profissionais de saúde, a frequente inadequação do ambiente de trabalho, dos instrumentos ou equipamentos, dos meios de comunicação, bem como, as condições e exigências físicas e mentais face às características específicas do trabalho em ambiente hospitalar e capacidades dos profissionais e dos doentes são factores que podem contribuir grandemente para a ocorrência de acontecimentos adversos. Porém, torna-se imprescindível uma reinvenção dos serviços de saúde, a partir de uma perspectiva centrada no indivíduo (profissional de saúde e doente), não esquecendo, por exemplo, que as regras informais dominam grande parte do funcionamento destas organizações [Areosa & Carapinheiro 2008]. Pois é isto que permite às organizações serem eficazes e incorporam o trabalho vivo4 dos seus profissionais [Dejours 2013].

22O designado erro humano está intimamente relacionado com aspectos do contexto, com o envolvimento da situação de trabalho (condições latentes) que, frequentemente, exigem elevadas cargas mentais dos profissionais de saúde e que podem conduzir a situações de erro e, consequentemente, dano para a saúde do doente. Neste sentido, foca-se a actuação dos profissionais de Enfermagem, como responsáveis pela prestação de cuidados directos aos utentes e tantas vezes alvo de condições de trabalho precárias e desgastantes tanto ao nível físico como psicológico e são precisamente estes aspectos que acabam por originar falhas e erros por parte destes profissionais.

23Segundo Fragata et al. [2008] por vezes é difícil evitar o erro humano. Ainda assim, existem violações que se definem pela escolha deliberada de um comportamento que não é standard e que viola as regras normais de actuação. A violação tem, por isso, um trajecto paralelo com a negligência. Um exemplo é o facto de ainda existirem profissionais de saúde, nomeadamente, enfermeiros e médicos, a reencapsular agulhas, uma situação que conduz, na maioria das vezes, à ocorrência de picada acidental dos profissionais. Contudo, dentro deste contexto, importa destacar a abordagem de Amalberti [1996], a partir do modelo da gestão cognitiva dinâmica ou compromisso cognitivo. O autor defende que nem todos os desvios ao trabalho prescrito são necessariamente negativos, esta ideia está a considerar de modo muito consistente alguns dos conhecimentos sobre a nossa forma de pensar quando estamos a trabalhar. No decorrer das suas atividades laborais alguns trabalhadores preferem efetuar “desvios” ao trabalho prescrito, quando sabem antecipadamente que esses “erros” não se traduzem em cenários ou consequências perigosas para a organização (ou para si próprios), do que ter de cumpri-lo à risca e ter que basear o seu funcionamento cognitivo em regras que tornam o trabalho mais lento, desgastante, fastidioso e que envolve recursos fatigantes. Aceitar determinados desvios considerados inconsequentes pode revelar-se uma gestão mais económica do ponto de vista cognitivo [Amalberti 1996].

24Por outro lado, os lapsos e os enganos, que se situam na base dos erros humanos, caracterizam a acção humana e são impossíveis de extinguir. São, também, chamados erros honestos devendo a sua ocorrência ser desculpabilizada, não impedindo, no entanto, prevenção deste tipo de situações [Fragata et al. 2008]. Apesar do erro humano ser inevitável, não significa que não possa ser minimizado ou controlado, nomeadamente através de políticas e estratégias preventivas [Areosa 2011], pelo menos até um determinado limite.

Metodologia

25O presente trabalho corresponde a um estudo exploratório-descritivo, de abordagem quantitativa. Trata-se de um estudo retrospectivo, tendo em conta que os dados recolhidos e analisados dizem respeito a casos de acidentes de trabalho que ocorreram no período de 2006 a 2010. Uma vez que, de acordo com dados da Administração Central do Sistema de Saúde - ACSS (Ministério da Saúde), os hospitais são as instituições onde ocorrem maior número de acidentes de trabalho, o presente estudo foi desenvolvido numa instituição hospitalar, situada na área de Lisboa.

26A instituição hospitalar tem uma lotação de 368 camas, distribuídas por 12 serviços de internamento e um serviço de urgência e tem uma dotação de 1.453 colaboradores. A recolha de dados efectuou-se mediante análise documental dos questionários epidemiológicos dos acidentes de trabalho aplicados no Serviço de Saúde Ocupacional da instituição hospitalar. Estes questionários são aplicados pela enfermeira responsável do Serviço de Saúde Ocupacional no momento em que os profissionais sinistrados fazem a participação do acidente, sendo as respostas registadas em suporte informático.

27Esta informação foi disponibilizada pela enfermeira responsável do Serviço de Saúde Ocupacional, após autorização da enfermeira directora e Conselho de Administração. Assim, fez-se o levantamento dos dados relevantes para a investigação, havendo necessidade de reorganizar e categorizar estes dados de forma a ser possível a sua análise em suporte informático (SPSS - versão 19).

28Foram recolhidos dados demográficos relativos à população em estudo, bem como os elementos relativos aos acidentes ocorridos. Ainda assim, existiu a preocupação de ocultar todos os dados possíveis de identificar qualquer profissional de saúde acidentado. Neste sentido, foram excluídos os números mecanográficos de todos os profissionais, assim como o seu historial clínico.

29Relativamente às limitações deste estudo, elas incidem, essencialmente, na organização dos dados referentes aos acidentes de trabalho, por parte do Serviço de Saúde Ocupacional do hospital. Numa primeira abordagem, foi verificado que o tipo de dados recolhidos diferia de ano para ano, existindo elementos recolhidos numa determinada data que não eram considerados posteriormente, como seja a parte do corpo atingida pelo acidente ou a acção que conduziu ao acidente dificultando, por isso, a sua análise.

30Também o facto de não existir uma descrição detalhada das circunstâncias que envolveram o acidente não permitiu tirar conclusões aprofundadas acerca da influência do ambiente de trabalho, da organização dos serviços e da conduta dos profissionais na ocorrência dos acidentes. Para além disso, o facto de não existir um critério para registar e classificar os acidentes de trabalho dificultou a categorização dos dados recolhidos.

Resultados obtidos

31Dos 579 acidentes de trabalho ocorridos no período de 2006 a 2010, 471 (81,3%) ocorreram entre profissionais do sexo feminino e 108 (18,7%) entre profissionais do sexo masculino (Gráfico 1).

Gráfico 1 - Distribuição da ocorrência de acidentes conforme o género dos profissionais de saúde

Gráfico 1 - Distribuição da ocorrência de acidentes conforme o género dos profissionais de saúde

32Relativamente à ocorrência de acidentes segundo o nível de escolaridade, a maior percentagem, cerca de 55.6% corresponde a profissionais com o grau de Licenciado, 17,8% corresponde a profissionais com o 9º ano de escolaridade, 6,6% com o grau de Bacharel, 7,9% dos profissionais com o 12º ano e 12,1% dos profissionais com escolaridade abaixo do 9º ano (Gráfico 2).

Gráfico 2 – Frequência da ocorrência de acidentes conforme o grau de escolaridade dos profissionais

Gráfico 2 – Frequência da ocorrência de acidentes conforme o grau de escolaridade dos profissionais

33Em relação ao número de acidentes de trabalho participados por cada categoria profissional presente na amostra, verifica-se que a maior percentagem pertence ao grupo dos enfermeiros, com 223 acidentes participados (cerca de 38,5%), seguido dos assistentes operacionais, com 178 casos (cerca de 30,7%) e pelos médicos, com 90 acidentes de trabalho participados (cerca de 15,5%) (Gráfico 3).

Gráfico 3 – Frequência da ocorrência de acidentes por grupo profissional

Gráfico 3 – Frequência da ocorrência de acidentes por grupo profissional

34No que respeita ao tipo de acidentes de trabalho mais frequentes, ocorridos no período de 2006 a 2010, um número significativo de eventos, ou seja, 210 casos (36,3%), corresponde a traumatismos vários, nos quais se incluem fracturas, entorses, contusões e distensões musculares. No presente trabalho, as lombalgias foram analisadas separadamente dos restantes traumatismos de forma a permitir uma análise mais aprofundada deste tipo de acidente entre os profissionais de saúde (Gráfico 4).

Gráfico 4 – Frequência de cada tipo de acidente

Gráfico 4 – Frequência de cada tipo de acidente

35O segundo tipo de acidente de trabalho mais frequente entre os trabalhadores deste hospital são as picadas (com agulhas, bisturis, pinças ou sistemas de soros) ao qual correspondem 32% dos acidentes (Gráfico 4). De referir que, neste estudo os acidentes por picada estão em número inferior aos acidentes por traumatismo uma vez que, dentro dos traumatismos estão incluídos vários tipos de lesão, daí existir maior número de registos. Mas as picadas, por si só, correspondem a uma elevada percentagem de acidentes.

36Verifica-se que a maioria dos acidentes de trabalho notificados corresponde a profissionais que desempenham funções há mais de 10 anos (252 casos). Os acidentes por traumatismo também se encontram em maior número dentro deste grupo, com 108 casos (Tabela 1). Os acidentes por picada encontram-se em igual número entre os profissionais com antiguidade na função entre 1 e 5 anos e os profissionais que desempenham funções há mais de 10 anos (67 casos). As lombalgias ocorrem mais frequentemente entre profissionais que exercem as suas funções há mais de 10 anos, isto é, com cerca de 24 casos notificados. Relativamente aos acidentes por contacto com substâncias orgânicas, verifica-se maior número de registos entre os profissionais que desempenham funções há mais de 10 anos (26 casos), seguidos dos profissionais com antiguidade na função entre 1 e 5 anos (31 casos).

Tabela 1 – Distribuição dos tipos de acidente conforme a antiguidade na função dos profissionais de saúde

Tabela 1 – Distribuição dos tipos de acidente conforme a antiguidade na função dos profissionais de saúde

37No que respeita à distribuição dos acidentes pelos grupos profissionais, verifica-se que os traumatismos se encontram em maior número entre os assistentes operacionais (96 casos), seguidos dos enfermeiros (56 casos) (Tabela 2). Relativamente às picadas, existe maior número de registos por parte dos enfermeiros (81 casos), seguidos da classe médica (60 casos). De notar o elevado número de acidentes por picada registados por assistentes operacionais (32casos).

38As lombalgias representam 8,5% dos acidentes de trabalho que foram notificados e, na grande maioria, ocorrem entre assistentes operacionais (22 casos) e pessoal de Enfermagem (18 casos). De notar, ainda, o número de acidentes de trabalho devido a contacto com substâncias orgânicas, onde se inclui o contacto com sangue, urina, expectoração, líquido ascítico e sero-hemático (relativo a drenagens). Os enfermeiros são a classe profissional que regista maior número de acidentes deste tipo, com 50 casos, seguido dos assistentes operacionais, com 10 casos, dos médicos com 7 casos e dos técnicos de diagnóstico e terapêutica com 6 casos.

Tabela 2 - Distribuição de tipos de acidente por grupo profissional

Tabela 2 - Distribuição de tipos de acidente por grupo profissional

Legenda: CO - Contacto com subs. Orgânica; CQ - Contacto com subs. Química; F - Ferida; L - Lombalgia; P - Picada; Q - Queimadura; R - Recaída; T - Traumatismo

39Relativamente às causas dos acidentes de trabalho ocorridos, os traumatismos devem-se, essencialmente a quedas (103 casos), mobilização de doentes (46 casos) e manipulação de equipamento (42 casos) (Tabela 3). Os acidentes por picada são devidos, na sua grande maioria, a picadas de agulha (161 casos). De notar o elevado número de feridas registadas devido à utilização de bisturi (29 casos).

40Verifica-se que, relativamente aos acidentes por contacto com substâncias orgânicas, a causa recai no facto dos profissionais de saúde não utilizarem devidamente o EPI (71 casos). São registados 3 casos em que o EPI se encontrava danificado. As lombalgias devem-se, na maioria dos casos, à mobilização de doentes (34 casos). A propósito destes dados, importa não esquecer o importante debate sobre a monocausalidade e multicausalidade dos acidentes de trabalho [Areosa & Dwyer 2010].

Tabela 3 - Distribuição das várias causas relativas a cada acidente de trabalho

Tabela 3 - Distribuição das várias causas relativas a cada acidente de trabalho

Legenda: AV - Acidente de Viação; AG - Agressão; A - Agulha; B - Bisturi; E - Entalamento; ED - EPI danificado; FE - Falta de EPI; ME - Manipulação de Equipamento; MD - Mobilizaçãode Doente; NE - Não Especificado; PI - Picada de Insecto; P - Picada; Q - Queda; R - Recaída; SS - Sistema de Soro

41Dentro dos acidentes por traumatismo devido a quedas, o maior número de registos encontra-se entre os assistentes operacionais (42 casos), seguidos dos enfermeiros (26 casos) e dos médicos (9 casos). Os traumatismos devidos a mobilização de doentes são, na maioria, registados entre os assistentes operacionais (37 casos), seguidos dos enfermeiros (35 casos). O registo de traumatismos devidos a manipulação de equipamento encontra-se em maior número entre os assistentes operacionais (39 casos) e enfermeiros (12 casos) (Tabela 4).

42Os acidentes por picada de agulha são registados em maior número por enfermeiros (72 casos), seguidos dos médicos (55 casos), assistentes operacionais (23 casos) e técnicos de diagnóstico e terapêutica (11 casos). Os enfermeiros são a classe profissional que regista maior número de acidentes pela falta de utilização de equipamentos de protecção individual adequada (50 casos).

Tabela 4 – Distribuição das várias causas dos acidentes por grupo profissional

Tabela 4 – Distribuição das várias causas dos acidentes por grupo profissional

Legenda: A - Agulha; B - Bisturi; ED - EPI danificado; FE - Falta de EPI; ME - Manipulação de Equipamento; MD - Mobilização de Doente; P - Pinça; Q - Queda; SS - Sistema de Soro

43Relativamente à faixa etária dos profissionais que registam maior número de acidentes por traumatismo, verifica-se que são os profissionais com idades entre os 30 e os 34 anos (38 casos) (Tabela 5).

44Os acidentes por picada de agulha são, na grande maioria, registados por profissionais com idades compreendidas entre os 25 e os 29 anos (62 casos), assim como os acidentes devido a contacto com substância orgânica (25 casos).

45Embora existam valores idênticos na faixa etária dos 30 aos 44 anos, as lombalgias são registadas em maior número por profissionais com idades compreendidas entre os 30 e os 34 anos (10 casos).

Tabela 5 – Distribuição de tipos de acidente por grupo etário

Tabela 5 – Distribuição de tipos de acidente por grupo etário

Legenda: CO - Contacto com subs. Orgânica; CQ - Contacto com subs. Química; F - Ferida; L - Lombalgia; P - Picada; Q - Queimadura; R - Recaída; T - Traumatismo

46Verifica-se que os serviços onde ocorre maior número de acidentes de trabalho são os serviços de internamento, com 264 casos participados (45,6%), seguidos do Bloco Operatório e Unidades de Cuidados Intensivos com 129 casos (22,3%). Foram participados 42 acidentes de trabalho no serviço de urgência (7,3%) (Gráfico 5).

Gráfico 5 – Frequência dos acidentes segundo o serviço onde ocorreram

Gráfico 5 – Frequência dos acidentes segundo o serviço onde ocorreram

47Relativamente ao tipo de acidente mais frequente em cada serviço, é verificado que no internamento existe um elevado número de traumatismos (88 casos), picadas (82 casos), contacto com substância orgânica (49 casos) e lombalgias (26 casos); no Bloco operatório e Unidades são mais frequentes as picadas (65 casos) e os traumatismos (25 casos); no serviço de urgência, as picadas são, também, o tipo de acidente com maior incidência (25 casos) (Tabela 6).

Tabela 6 – Distribuição dos tipos de acidente pelos serviços onde ocorreram

Tabela 6 – Distribuição dos tipos de acidente pelos serviços onde ocorreram

Legenda: EC - Exames Complementares; I - Internamento; BU - Bloco/Unidade; U - Urgência; O - Outros

48No que respeita ao grupo profissional que regista mais acidentes em cada serviço, constata-se que, tanto nos serviços de internamento (123 casos) como no Bloco operatório/ Unidade (57 casos) e serviço de urgência (14 casos), os enfermeiros são os profissionais com maior número de acidentes participados. Também se verifica o mesmo com o pessoal médico e com os assistentes operacionais. Nos serviços de internamento, os assistentes operacionais registam 87 casos de acidente e os médicos 30 casos. No Bloco operatório/ Unidade, existe uma diferença mínima, ou seja, os médicos registaram 35 acidentes e os assistentes operacionais 31. No serviço de urgência os assistentes operacionais registaram 13 acidentes ao passo que o pessoal médico tem um registo de 11 acidentes durante este período (Tabela 7).

49Relativamente aos serviços de Exames Complementares, torna-se óbvio que são os técnicos de diagnóstico e terapêutica que registam maior número de acidentes ocorridos, com 13 casos registados (Tabela 7).

Tabela 7 – Distribuição dos acidentes por grupos profissionais relativamente aos serviços onde ocorreram

Tabela 7 – Distribuição dos acidentes por grupos profissionais relativamente aos serviços onde ocorreram

50No contexto hospitalar, a necessidade da presença constante de profissionais nos serviços durante as 24 horas do dia requer que o trabalho seja organizado por turnos, normalmente, de 8 horas, em horários rotativos de manhã (das 8 horas às 16 horas), tarde (das 16 horas ás 0 horas) e noite (das 0 horas às 8 horas). Assim, como apresentado no gráfico 6, é no período da manhã que ocorre a maioria dos acidentes registados, particularmente, no intervalo das 8h às 12h.

Gráfico 6 – Distribuição dos acidentes conforme a hora em que ocorreram

Gráfico 6 – Distribuição dos acidentes conforme a hora em que ocorreram

Discussão dos resultados

51Verifica-se, através dos dados recolhidos que os profissionais de Enfermagem são a classe profissional com maior número de acidentes de trabalho notificados. Foram encontrados resultados idênticos em estudos realizados por Martins [2002] que refere que 43% dos profissionais acidentados são enfermeiros e Ruiz et al. [2004] que apresentam um valor de 56% para os profissionais de enfermagem vítimas de acidente de trabalho. O facto de estarem em contacto directo com os doentes na prestação de cuidados de saúde, sujeitos à exposição regular com produtos biológicos e químicos, esforço físico, postura inadequada na realização das tarefas, trabalho por turnos, alterações do sono devido ao trabalho nocturno, esta sobrecarga de trabalho reflecte-se na elevada incidência de acidentes de trabalho. Mais uma vez, voltamos aqui a sublinhar a importância da multicausalidade dos acidentes de trabalho [Areosa & Dwyer 2010].

52Tanto na investigação de Martins [2002], como na de Ruiz et al. [2004], a picada de agulha é o tipo de acidente com maior frequência em contexto hospitalar. Foram obtidos resultados idênticos no presente estudo, embora os traumatismos se encontrem em maior número, cerca de 36%, mas este facto deve-se à necessidade que houve de agrupar vários tipos de traumatismo numa só categoria. As picadas de agulha, por si só, correspondem a uma percentagem de 32% de todos os acidentes participados.

53Relativamente ao elevado número de acidentes por picada de agulha entre os profissionais de Enfermagem, é referido em alguns estudos [Gir et al. 1998, Sarquis et al. 2002] que estes acidentes podem ser evitados ou, pelo menos, minimizados, se existir uma utilização correcta dos equipamentos e se forem empregues cuidados no manuseamento de materiais perfuro-cortantes. A negligência dos profissionais como seja, deixar a agulha desprotegida em lugares indevidos após a sua utilização e o reencapsulamento de agulhas usadas são comportamentos que violam as regras de prevenção. Em determinadas situações, como seja, a agressividade e agitação por parte dos doentes torna necessária uma atenção reforçada por parte dos profissionais. Terá, também, que existir por parte das administrações hospitalares a preocupação de averiguar a existência de novos meios técnicos e equipamentos que protejam tanto utentes como profissionais da execução de técnicas invasivas.

54O facto dos acidentes com materiais perfuro-cortantes acontecer, maioritariamente, com profissionais na faixa etária dos 25 aos 29 anos, leva-nos a questionar se a experiência profissional pode influenciar a ocorrência deste tipo de acidentes. Excesso de confiança relativamente a comportamentos de risco, dificuldade em gerir situações de stress ou ambientes de trabalho em que os profissionais estão constantemente sob pressão são possíveis causas que se podem apontar para justificar este facto. Ou ainda, segundo Madureira Pinto [1996: 115], os habitus profissionais têm como função adaptar o corpo e a atenção aos riscos laborais, logo, os trabalhadores mais jovens não podem ter esta importante experiência.

55Faria [2008] apresenta resultados idênticos no seu estudo, concluindo que a maior parte dos acidentes de trabalho, em contexto hospitalar, ocorre com profissionais com faixa etária entre 25 e 34 anos. Como justificação, refere-se a um estudo realizado por Chan [1998 apud Faria 2008] que determina que este facto se deve à inexperiência dos profissionais em questão e ao facto de os enfermeiros subestimarem os riscos a que estão expostos. Este facto está em concordância com as teorias do optimismo irrealista onde é afirmado que os outros tendem a ser considerados menos aptos a lidar com o risco do que nós próprios [apud Weinstein 1980].

56Constata-se, também, que existe um número elevado de acidentes causados pelo contacto com substâncias orgânicas por parte de profissionais que não utilizaram devidamente os Equipamentos de Protecção Individual. O mesmo foi observado por Martins [2002] que refere no seu estudo que 67,9% dos profissionais expostos a sangue não usavam luvas no momento do acidente. Questiona-se a conduta dos profissionais, a formação nas escolas, a formação em serviço quando, actualmente, existe um vasto conhecimento acerca das doenças transmissíveis e a implementação das boas práticas deveria ser uma preocupação por parte das Direcções.

57O elevado número de traumatismos que ocorrem no contexto hospitalar, seja devido a quedas por pavimento molhado, seja por mobilização de doentes ou manipulação de equipamentos vem reforçar a ideia de que, nos hospitais, ainda não existe uma preocupação em promover a adequação dos espaços e equipamentos às actividades que são desenvolvidas. As lombalgias são, por isso, um dos traumatismos mais frequentes entre os profissionais de saúde, nomeadamente, entre os assistentes operacionais e os enfermeiros aquando da mobilização de doentes, não só devido a posturas incorrectas, mas também pela carência de equipamentos que permitam uma diminuição do esforço físico por parte destes profissionais. O pouco espaço que existe entre as camas nas enfermarias é outro factor que dificulta o desempenho dos profissionais na execução das suas funções. Martins [2002] apresenta resultados idênticos no seu estudo, referindo que 9,4% dos acidentes ocorridos se deveram a mobilização de doentes.

58Observou-se que os serviços de internamento são os locais com maior incidência de acidentes de trabalho. O mesmo é referido por Martins [2002], apresentando um resultado de 39,9% dos acidentes ocorridos em serviços de internamento. A inadequação dos espaços, as baixas dotações dos profissionais por serviço e a execução de tarefas sob pressão são exemplos de situações que são presenciadas nestes serviços e que podem contribuir para a ocorrência de acidentes.

59Outro aspecto a ter em conta é que a maioria dos acidentes de trabalho ocorre no turno da manhã, nomeadamente, no período entre as 8 horas e as 12 horas. De facto, é durante este período que, nos serviços de internamento, existe um maior número de tarefas técnicas a serem executadas, bem como, uma maior afluência de pessoas ao serviço, sejam médicos, técnicos de diagnóstico, pessoal externo ao próprio serviço, gerando, por isso, maior movimentação de profissionais e equipamentos. Martins [2002] e Faria [2008] apresentam as mesmas conclusões, com 46,2% e 45,6% respectivamente. Torna-se necessário averiguar a influência que o ambiente de trabalho e a própria organização do serviço pode ter na ocorrência de acidentes.

60Em suma, os profissionais de saúde, pela especificidade das suas funções, bem como pelo contexto em que desempenham o seu trabalho, estão expostos a um variado tipo de riscos laborais. A segurança do profissional reflecte-se, grandemente, na segurança do doente, daí a importância dos estudos realizados neste âmbito. A promoção da saúde dos profissionais em contexto hospitalar é, também, determinante para que exista uma prestação de cuidados de excelência aos doentes. Urge um maior investimento, por parte dos decisores, na área da saúde e segurança destes profissionais, criando mecanismos de gestão do risco de modo a que se possa obter melhores resultados na prevenção de acidentes.

Conclusões

61A tipologia de acidentes de trabalho de cada organização depende dos riscos específicos do ambiente de trabalho, das relações sociais de trabalho [Areosa & Dwyer 2010], da legislação de cada país (sendo este aspecto marcadamente de natureza política), bem como de outros factores que vão para além da actividade concreta dos trabalhadores. A título de exemplo, podemos referir que existe uma certa tendência para as organizações onde existe uma forte implantação sindical ou uma maior participação dos trabalhadores (no âmbito da segurança e saúde no trabalho) revelarem menor número de acidentes de trabalho e a sua gravidade ser igualmente inferior [Alves 2014].

62Os hospitais, enquanto espaços de trabalho, são locais repletos de múltiplas formas de risco, visto que incorporam riscos biológicos (contacto com os doentes, tarefas com materiais cortantes ou perfurantes eventualmente contaminados, contacto com fluídos orgânicos), riscos físicos (radiações ionizantes, ruído, electricidade), riscos químicos (manuseamento de produtos químicos perigosos, nomeadamente medicamentos, diversos tipos de gases – tóxicos, combustíveis, etc.), riscos ergonómicos (levantar ou movimentar pesos elevados, incluindo o transporte de doentes com mobilidade reduzida, trabalhar longos períodos em pé, manuseamento de equipamentos “pouco” ergonómicos), riscos com máquinas ou equipamentos (aparelhos de RX, equipamentos de laboratório, objetos cortantes, etc.), riscos do próprio local ou ambiente de trabalho (iluminação deficiente, má qualidade do ar interior ou pavimentos escorregadios), riscos da organização do trabalho (trabalho nocturno ou por turnos, alteração de horários, acumulação de funções, manuseamento e/ou armazenagem inadequada de produtos, responsabilização dos trabalhadores por falhas da própria organização), riscos psicossociais (conflitos entre trabalhadores, agressões físicas ou verbais provenientes de doentes ou acompanhantes, mobbing, contacto com situações difíceis, nomeadamente doenças graves ou a própria morte dos doentes) e ainda a susceptibilidade individual perante as situações de riscos (reacções inesperadas, diferentes níveis pessoais de aversão ou de tolerância aos múltiplos factores de risco). Esta categorização de riscos profissionais pode ser consultada em Areosa [2005], onde se poderão encontrar mais detalhes. Deste modo, podemos afirmar que os riscos ocupacionais são uma espécie de antecâmara para os acidentes de trabalho [Areosa 2009].

63Atendendo aos resultados obtidos nesta investigação, destacamos as seguintes conclusões: Verificou-se que os enfermeiros são a classe profissional que regista maior número de acidentes de trabalho e que os profissionais que desempenham funções há mais de 10 anos são os que assinalam maior número de sinistros. Neste último caso, a habituação ao risco, através da exposição continuada, pode dar origem à normalização do risco, a qual tende a reduzir no imaginário dos trabalhadores a sua percepção e severidade; ou seja, a familiaridade com as situações de risco torna as pessoas mais complacentes com as “reais” possibilidades da sua efectivação [Slovic 2000]. Constatou-se que os serviços de internamento são os locais onde ocorre maior número de acidentes de trabalho, entre os profissionais de saúde. Também se observou que os traumatismos dão origem à maior percentagem de registos de sinistros. Todavia, deve ser tido em conta que nesta tipologia de acidentes estão englobados vários tipos de lesão. Ainda dentro desta tipologia de acidente, verificou-se que as lombalgias são o tipo de traumatismo mais frequente entre profissionais de saúde. Por outro lado, as picadas (particularmente as que ocorrem com agulhas), por si só correspondem a uma elevada percentagem de incidência nos acidentes, sendo os profissionais com idades compreendidas entre os 25 e os 29 anos aqueles que sofrem maior número de acidentes deste tipo. Por fim, podemos constatar que os acidentes de trabalho acontecem com maior frequência no turno na manhã, particularmente no período entre as 8 horas e as 12 horas.

Topo da página

Bibliografia

ALVES, Paulo, 2014: “A importância da participação dos trabalhadores em segurança e saúde no trabalho” in Hernâni Veloso Neto, João Areosa e Pedro Arezes (Eds.), Riscos psicossociais no trabalho. Vila do Conde: Civeri Publishing, pp. 91-112.

AMALBERTI, René, 1996: La conduite des systèmes à risques, Paris: Presses Universitaires de France.

AREOSA, João, 2005: “A hegemonia contemporânea dos «novos» riscos”, in Guedes Soares et al. (Eds) Análise e gestão de riscos, segurança e fiabilidade, Lisboa: Edições Salamandra, pp. 203-218.

AREOSA, João, 2009: “Do risco ao acidente: que possibilidades para a prevenção?”, Revista Angolana de Sociologia, 4, pp. 39-65.

AREOSA, João, 2010: “O risco nas ciências sociais: uma visão crítica ao paradigma dominante”, Revista Angolana de Sociologia, 5/6, pp. 11-33.

AREOSA, João, 2011: “Riscos ocupacionais da Imagiologia: estudo de caso num hospital português”, Tempo Social, 23 (2), pp. 297-318.

AREOSA, João, 2012a: O lado obscuro dos acidentes de trabalho: um estudo de caso no setor ferroviário. Famalicão: Editora Húmus.

AREOSA, João, 2012b: “As perceções de riscos dos trabalhadores: qual a sua importância para a prevenção de acidentes de trabalho?”, in Hernâni Veloso Neto, João Areosa e Pedro Arezes (Eds.), Impacto social dos acidentes de trabalho. Vila do Conde: Civeri Publishing, pp. 65-97.

AREOSA, João, 2012c: “O contributo das ciências sociais para a análise de acidentes maiores: dois modelos em confronto”, Análise Social, 204, pp. 558-584.

AREOSA, João, 2013: “Christophe Dejours e a Psicodinâmica do Trabalho”, Revista Portuguesa de Psicanálise, 33(2), pp. 29-41.

AREOSA, João, 2014: “As percepções de riscos ocupacionais no sector ferroviário”. Sociologia, Problemas e Práticas, 75, pp. 83-107.

AREOSA, João & Tom DWYER, 2010: “Acidentes de trabalho: uma abordagem sociológica”, Configurações, 7, pp. 107-128.

AREOSA, João & Graça CARAPINHEIRO, 2008: “Quando a imagem é profissão: profissões da imagiologia em contexto hospitalar”. Sociologia, Problemas e Práticas, 57, pp. 83-108.

ARRABAÇO, M. Fátima, 2008: Acidentes de Serviço em Profissionais de Saúde: Identificação, Representações e Comportamentos face à Exposição Microbiológica Acidental. Dissertação de Mestrado em Saúde Pública. Lisboa: Universidade Aberta.

CARAPINHEIRO, Graça, 1993: Saberes e poderes no hospital. Porto: Edições Afrontamento.

CARAPINHEIRO, Graça & Pedro HESPANHA, 2002: Risco Social e Incerteza: pode o Estado Social recuar mais? Porto: Edições Afrontamento.

CAMPOS, Luís, 2009: “O Conceito e a Necessidade de Governação”, in CAMPOS, L., BORGES, M. e PORTUGAL, R. (eds.), Governação dos Hospitais. Alfragide: Casa das Letras, pp. 23-43.

GIR, Elucir; Fabiana COSTA & Adriana SILVA, 1998: “A Enfermagem frente a acidentes de trabalho com material potencialmente contaminado na era do HIV”. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Vol. 32, pp. 262-272.

DEJOURS, Christophe, 2013: “A sublimação, entre o sofrimento e prazer no trabalho”. Revista Portuguesa de Psicanálise, 33 (2), pp. 9-28.

DOUGLAS, Mary & Aaron WILDAVSKY, 1982: Risk and culture: An essay on the selection of technological and environmental dangers, Berkeley, CA: University of California Press.

DUARTE, Carla & Liliana CUNHA, 2012: “Para uma construção da prevenção de riscos profissionais: a actividade de trabalho no centro da análise”. in Hernâni Veloso Neto, João Areosa e Pedro Arezes (Eds.), Impacto social dos acidentes de trabalho. Vila do Conde: Civeri Publishing, pp. 33-64.

FARIA, Armando, 2008: Caracterização e Análise de Acidentes de Trabalho em Profissionais de Enfermagem numa Unidade Hospitalar. Dissertação de Mestrado em Engenharia, área de Engenharia Humana. Guimarães: Universidade do Minho.

FRAGATA, José & Luís MARTINS, 2008. O Erro em Medicina - Perspectivas do indivíduo, da organização e da sociedade, Coimbra: Almedina.

GIDDENS, Anthony, 2000: O mundo na era da globalização, Lisboa: Editorial Presença.

GOFFMAN, Erving, 1996: Manicómios, prisões e conventos, São Paulo: Editora Perspectiva.

GRANJO, Paulo, 2006: “Quando o conceito de «risco» se torna perigoso”, Análise Social, 181, pp. 1167-1179.

JACINTO, Celeste, 2005: “Metodologias para Análise de Acidentes de Trabalho”. in C. Guedes Soares, A. P. Teixeira e P. Antão. Análise e Gestão dos Riscos, Segurança e Fiabilidade. Lisboa: Edições Salamadra.

KAHNEMAN, Daniel, 2012: Pensar depressa e devagar. Lisboa: Temas e Debates.

MARTINS, Matilde, 2002: Acidentes de Trabalho nas Instituições de Saúde do Distrito de Bragança e a sua associação com Absentismo Laboral. Dissertação de Mestrado em Saúde Pública. Porto: Instituto de Ciência Biomédicas da Universidade do Porto.

NETO, Hernâni Veloso, 2012: “Os acidentes de trabalho como fonte de conhecimento e aprendizagem organizacional”. in Hernâni Veloso Neto, João Areosa e Pedro Arezes (Eds.), Impacto social dos acidentes de trabalho. Vila do Conde: Civeri Publishing, pp. 199-225.

PINTO, José Madureira, 1996: “Contributos para uma análise dos acidentes de trabalho na construção civil”, Cadernos de Ciências Sociais, 15/16, pp. 87-119.

RUIZ, Mariana; Denise BARBOZA & Zaida SOLER, 2004: “Acidentes de Trabalho: um estudo sobre esta ocorrência em um hospital geral”. Revista Arquivos de Ciências da Saúde, 11 (4), pp. 219-224.

SARQUIS, Leila & Vanda FELLI, 2002: “Acidentes de trabalho com instrumentos perfurocortantes entre os trabalhadores de enfermagem”. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 36 (3), pp. 222-230.

SERRANHEIRA, F; A. UVA; P. SOUSA & E. LEITE

2009: “Segurança do doente e Saúde e Segurança dos profissionais de saúde: duas faces da mesma moeda”. Revista Saúde e Trabalho - Sociedade Portuguesa de Medicina do Trabalho, 7, pp. 5-29.

SLOVIC, Paul, 2000: The perception of risk. London: Earthscan Publications Ltd.

SOARES, C. Guedes, 2005: “Metodologia para Análise e Gestão dos Riscos”. in C. Guedes Soares, A. P. Teixeira e P. Antão. Análise e Gestão dos Riscos, Segurança e Fiabilidade. Lisboa: Edições Salamadra.

SÓZINHO, Guido; Luís COELHO & Teresa MAGALHÃES, 2011: “Avaliação do dano corporal pós-traumático por acidentes de viação e de trabalho em Angola”. Revista Portuguesa do Dano Corporal, 22, pp. 133-165.

UVA, A. & M. FARIA, 1992. Riscos Ocupacionais em Hospitais e Outros Estabelecimentos de Saúde. Edição conjunta no âmbito do ano Europeu de Segurança, Higiene e Saúde no local de trabalho. Lisboa: Sindicato Independente dos Médicos, Federação Nacional dos Médicos.

WEINSTEIN, Neil, 1980: “Unrealistic optimism about future life events”. Journal of Personality & Social Psychology, 39, pp. 806-820.

WILBURN, S. & G. EIJKEMANS, 2004: “Preventing needle-stick injuries among healthcare workers” WHO-ICN collaboration. International Journal of Occupational and Environmental Health, 10, pp. 451-456.

Topo da página

Notas

1 Os autores agradecem ao Prof. Luís Sá (UCP), pela colaboração no tratamento de dados em SPSS.

2 OIT - Organização Internacional do Trabalho [2008], Directrizes Conjuntas OIT/OMS sobre os serviços de saúde e a infecção VIH/Sida: Organização Mundial de Saúde.

3 Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho [2007], Introdução às lesões músculo-esqueléticas. FACTS 71:http://osha.europa.eu/pt/publications/factsheet/

4 O trabalho vivo é aquilo que os trabalhadores acrescentam à organização do trabalho formal, ao trabalho prescrito (regras, normas, procedimentos, etc.).

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Gráfico 1 - Distribuição da ocorrência de acidentes conforme o género dos profissionais de saúde
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Título Gráfico 2 – Frequência da ocorrência de acidentes conforme o grau de escolaridade dos profissionais
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 28k
Título Gráfico 3 – Frequência da ocorrência de acidentes por grupo profissional
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 36k
Título Gráfico 4 – Frequência de cada tipo de acidente
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 36k
Título Tabela 1 – Distribuição dos tipos de acidente conforme a antiguidade na função dos profissionais de saúde
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 28k
Título Tabela 2 - Distribuição de tipos de acidente por grupo profissional
Legenda Legenda: CO - Contacto com subs. Orgânica; CQ - Contacto com subs. Química; F - Ferida; L - Lombalgia; P - Picada; Q - Queimadura; R - Recaída; T - Traumatismo
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Título Tabela 3 - Distribuição das várias causas relativas a cada acidente de trabalho
Legenda Legenda: AV - Acidente de Viação; AG - Agressão; A - Agulha; B - Bisturi; E - Entalamento; ED - EPI danificado; FE - Falta de EPI; ME - Manipulação de Equipamento; MD - Mobilizaçãode Doente; NE - Não Especificado; PI - Picada de Insecto; P - Picada; Q - Queda; R - Recaída; SS - Sistema de Soro
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 36k
Título Tabela 4 – Distribuição das várias causas dos acidentes por grupo profissional
Legenda Legenda: A - Agulha; B - Bisturi; ED - EPI danificado; FE - Falta de EPI; ME - Manipulação de Equipamento; MD - Mobilização de Doente; P - Pinça; Q - Queda; SS - Sistema de Soro
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Título Tabela 5 – Distribuição de tipos de acidente por grupo etário
Legenda Legenda: CO - Contacto com subs. Orgânica; CQ - Contacto com subs. Química; F - Ferida; L - Lombalgia; P - Picada; Q - Queimadura; R - Recaída; T - Traumatismo
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-9.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Título Gráfico 5 – Frequência dos acidentes segundo o serviço onde ocorreram
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-10.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Título Tabela 6 – Distribuição dos tipos de acidente pelos serviços onde ocorreram
Legenda Legenda: EC - Exames Complementares; I - Internamento; BU - Bloco/Unidade; U - Urgência; O - Outros
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-11.jpg
Ficheiros image/jpeg, 28k
Título Tabela 7 – Distribuição dos acidentes por grupos profissionais relativamente aos serviços onde ocorreram
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-12.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Título Gráfico 6 – Distribuição dos acidentes conforme a hora em que ocorreram
URL http://ras.revues.org/docannexe/image/970/img-13.jpg
Ficheiros image/jpeg, 21k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Tânia Mendes e João Areosa, « Acidentes de trabalho ocorridos em profissionais de saúde numa instituição hospitalar de Lisboa », Revista Angolana de Sociologia, 13 | 2014, 25-47.

Referência eletrónica

Tânia Mendes e João Areosa, « Acidentes de trabalho ocorridos em profissionais de saúde numa instituição hospitalar de Lisboa », Revista Angolana de Sociologia [Online], 13 | 2014, posto online no dia 04 Junho 2016, consultado no dia 21 Novembro 2017. URL : http://ras.revues.org/970 ; DOI : 10.4000/ras.970

Topo da página

Autores

Tânia Mendes

Enfermeira na London Clinic. Mestre em Gestão de Serviços de Enfermagem, pela Universidade Católica Portuguesa.

[e-mail: t.mendes@thelondonclinic.co.uk]

João Areosa

Sociólogo, Doutor em Sociologia do Trabalho, das Organizações e do Emprego, pelo ISCTE-I.U.L. (Lisboa), Mestre em Sociologia do Trabalho pelo ISCTE-I.U.L. (Lisboa) e Licenciado em Sociologia pela Universidade Lusófona (Lisboa). Docente no Instituto Superior de Línguas e Administração (ISLA) e no Instituto Superior de Educação e Ciências (ISEC). Investigador integrado no Centro de Estudos Sociais da Universidade da Beira Interior (Covilhã, Portugal). É membro do Conselho Editorial da revista Segurança Comportamental (Portugal). As suas áreas de investigação são: Sociologia do Trabalho, Sociologia da Saúde e Sociologia do Risco e dos Acidentes. É autor do livro O lado obscuro dos acidentes de trabalho. Um estudo de caso no setor ferroviário (Famalicão, 2012) e co-autor dos livros Riscos psicossociais no trabalho (Vila do Conde, 2014), Proceedings CICOT 2013. Working conditions international congress (Vila do Conde, 2013) e Impacto social dos acidentes de trabalho (Vila do Conde, 2012).

[e-mail: joao.s.areosa@gmail.com]

Topo da página

Direitos de autor

© SASO

Topo da página
  • Logo Associação Angolana de Sociologia
  • Logo Edições Pedago
  • Revues.org